Depressão

Ansiedade & Cia?

Ganhe acesso imediato a este E-book gratuito pra sair dessa sofrência:

Em Breve: Depressão - Como se curar

Uma surra de jacas te ensina

Ciência pura lindeza!

Seta

Depressão: a Grande Verdade que não estão te contando

depressão

Estamos sendo invadidos por informações sobre o mal do século XXI: a Depressão. Mas CUIDADO, muito do que chega até você é mito. Então leia a matéria abaixo pra saber da verdade.

Depressão: Suicida Sobrevivente

Por Mariana Bottan

“As pessoas estão se matando porque a medicina convencional está falhando em ajudá-las.

Eu sou uma Suicida Sobrevivente porque descobri um novo modo de tratar estas doenças, mas muitas pessoas não tem esta sorte.

E é para isso que trabalho hoje, para mostrar que a cura está mais próximo delas do que se imagina”, Ana Maria Saad, 34, fundadora da ONG com título de OSCIP Instituto Pensamentos Filmados.”

Aos oito anos de idade Ana Maria Saad começou a ficar doente. Ao longo da juventude sofreu com graves depressões, síndrome do pânico, fobia social, compulsões alimentares e seu maior medo era acabar como os “louquinhos de rua”, em total rompimento com a realidade.

Aos 18 anos os sintomas eram tão fortes que a impediam até de realizar atividades corriqueiras como tomar banho e estudar.

depressão a verdade

Ana Maria Saad então seguiu o protocolo: procurou um psiquiatra, que apresentou-lhe o nome da doença que ela tinha, a qual não tinha cura, apenas controle.

Receitou-lhe um antidepressivo juntamente com sessões de psicanálise e disse que ela ficaria bem.

Meses depois, Ana Maria Saad tentou se matar pela primeira vez.

Até aqui, infelizmente, nenhuma novidade. Esta poderia ser a história de outras tantas Anas e Marias que sofrem com uma doença mental, procuram tratamento com um médico que mal lhes dá ouvidos, são levadas a crer que sua doença é incurável e que o tratamento principal é a medicação.

Quando muito, os médicos indicam sessões de Psicanálise ou Terapia Cognitivo Comportamental.

E quando nada disso resolve, essas pessoas, como Ana Maria Saad, chegam à conclusão que seu caso não tem mesmo solução e que a única saída é a morte; afinal, viver com um sofrimento deste para o resto da vida não lhes parece uma alternativa.

suicídio: um teste

Apesar de raramente ser abordado na mídia, o Suicídio é simplesmente a segunda maior causa de morte entre jovens no mundo, atrás apenas de acidentes de trânsito.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa se mata no mundo e 90% destas mortes estão ligadas à presença de algum transtorno mental, como depressão, ansiedade, pânico, bipolaridade, borderline, etc.

E estes números provavelmente são muito maiores, pois o registro de mortes por suicídio costuma ser erroneamento categorizado ou simplesmente não contabilizado em grande parte dos países.

Ana Maria Saad: uma história de coragem

Mas esta, ainda bem, não é mais uma história de suicídio causado por transtornos mentais, porque Ana Maria Saad encontrou o caminho da cura e fundou a ONG Pensamentos Filmados que lidera um movimento pioneiro no Brasil para compartilhar o conhecimento valioso que salvou sua vida.

ana maria saad

“Durante quase 10 anos busquei tratamentos dentro da medicina convencional e só piorei.

Até que comecei a pesquisar e descobri um novo paradigma médico que me mostrou pela primeira vez que não existia um remédio milagroso ou um médico ‘bambambam’ que me salvaria, pois a verdadeira cura vem de dentro pra fora

Foi quando entendi que eu precisava assumir a responsabilidade sobre minha própria saúde e combinar várias técnicas terapêuticas para transformar os hábitos nocivos da doença.

Me curei, principalmente graças a Super Di, disciplina libertadora que me ajudou a administrar a minha não vontade de implementar hábitos saudáveis no meu dia a dia.” relata Ana Maria Saad

Sua história de vida rendeu até palestra no prestigiado TED, uma comunidade global de conferências online, e teve seu trabalho indicado ao Projeto Generosidade da Editora Globo.

Novo paradigma na Saúde Mental

Esse novo paradigma médico ao qual Ana Maria se refere é a Medicina Integrativa. Antes de tudo, para ficar bem claro, a Medicina Integrativa não é uma especialidade médica, nem tampouco uma prática natureba ou coisa de “charlatão”.

A Medicina Integrativa é uma abordagem médica, ou seja, ela propõe uma nova relação médico-paciente, em que o ser humano, e não a doença, é o centro do cuidado, sendo o paciente o protagonista de seu processo de cura.

Na verdade, essa abordagem não é tão nova assim: surgiu como um movimento nas Universidades Americanas na década de 1970 e propõe abraçar todos os tipos de terapias, sejam elas oriundas da Medicina Tradicional (Chinesa, Indiana), Convencional ou Alternativa.

medicina integrativa

O grande propósito é propiciar bem-estar ao paciente, tratando-o de forma integral para que corpo, mente e espírito (no significado científico) estejam em harmonia e, portanto, com saúde.

No Brasil, a Medicina Integrativa já é uma Política Pública de Saúde regulamentada desde 2006. Alguns postos do SUS e até CAPs (Centro de Apoio Psicossocial) já oferecem Práticas Integrativas em seus atendimentos.

Hospitais  renomados como Albert Einstein e Sírio-Libanês em São Paulo já possuem departamentos de Medicina Integrativa nos Centros de Oncologia.

Na área de saúde mental, no entanto, o foco continua a ser no tratamento medicamentoso e pouquíssimo se fala sobre os preceitos da Medicina Integrativa.

Congresso online MeDISMente

Foi para divulgar esse modelo de Saúde Mental no Brasil que Ana Maria Saad organiza desde 2014 o Congresso online MeDISMente, exibido gratuitamente durante uma semana.

Mais que um Congresso online, MeDISMente é um movimento pioneiro que reúne médicos especialistas de diversas áreas, terapeutas, pesquisadores, além de pessoas que se curaram de casos graves de transtornos mentais indo além dos limites da medicação.

Como é o caso de:

Marilia CoutinhoMarília Coutinho, irmã do cartunista Laerte.

Foi diagnosticada como Bipolar, mas não se prendeu ao diagnóstico e encontrou no esporte olímpico de levantamento de peso a fonte para resgatar a sua saúde.

Tuna Dwek

Tuna Dwek, atriz (está na novela I Love Paraisópolis da Rede Globo).

 Enfrentou uma Depressão tão profunda que chegou a cogitar o suicídio e hoje vive com saúde sem ajuda de medicamentos.

Moara Passoni

Moara Passoni, cineasta (foi produtora do famoso documentário Elena).

Teve uma grave anorexia durante a adolescência e hoje está curada, sem ajuda de remédios.

Olga Mello

Olga Mello, psicóloga.

Foi diagnosticada como Bipolar tipo I, mas devido a uma hepatite medicamentosa ficou impedida de tomar os remédios. Mesmo assim, resgatou sua saúde.

Além de mostrar os preceitos da Medicina Integrativa e quebrar o tabu para que as pessoas não tenham vergonha de assumir essas doenças e busquem ajuda, esse movimento tem apresentado aos sofredores de transtornos mentais técnicas pouco difundidas, como:

  • Terapia de Respiração: Renascimento
  • Yoga
  • Meditação Mindfulness
  • Meditação Ativa
  • Terapia Transpessoal
  • Análise Bioenergética
  • Constelação Familiar
  • EFT (Emotional Freedom Techinique)
  • Acupuntura

Entre outras técnicas que auxiliaram Ana Maria Saad em seu processo de cura e que podem ser combinadas para trazer uma melhora genuína, evitando os ciclos de recaídas tão comuns quando a pessoa fica restrita ao tratamento convencional.

Ana Maria Saad

“Hoje eu não sou mais uma voz sozinha dizendo que se essas doenças mentais forem tratadas só com medicamentos e terapias convencionais, as pessoas vão continuar se matando ou vivendo com medo da próxima recaída.

Hoje, tenho ao meu lado especialistas que trazem pesquisas que endossam a importância dessa visão integral.” diz Ana Maria Saad.

E o resultado da união dessas vozes é esse movimento inovador na saúde mental, que tem ajudado a devolver esperança e saúde para milhares de pessoas.

Resultados 

Com esse trabalho inovador, a ONG Pensamentos Filmados já evitou mais de 30 suicídios e encaminhou mais de 200 pessoas para tratamentos efetivos, além de educar mais de 30 mil pessoas com seu conteúdo online gratuito.

Para rentabilizar a ONG, transformando-a num Negócio Social, o Congresso MeDISMente é comercializado sob o nome Club da Cachola, onde juntamente com um Programa online de 12 semanas ensina as pessoas como trilhar passo a passo o caminho da cura.

Mas isso é comprovado cientificamente?

Trazer esse novo paradigma para o tratamento dos transtornos mentais inclui derrubar o preconceito de médicos e pacientes.

Iniciativas como esta ainda são minoria dentro dessa medicina materialista que reduz o ser humano a sua dimensão física, tratando os sintomas e não as causas mais amplas por trás da doença.

Dr Fernando Bignardi“A medicina convencional não consegue tratar pessoas, ela só trata doenças. Neste modelo, a cada diagnóstico se associa um tratamento medicamentoso e isso não dá conta de tratar o ser humano em sua complexidade”, explica o médico e pesquisador Dr. Fernando Bignardi, fundador do setor de Transdisciplinaridade Aplicada à Saúde da Universidade Federal de São Paulo – Unifesp.

E dentro de uma medicina materialista, a ciência que vale é a que trata o corpo.

Por isso o tratamento mais difundido para os transtornos mentais está no uso de psicotrópicos, como antidepressivos, ansiolíticos, antipsicóticos, sedativos e por aí vai.

Dentro deste cenário da medicina do corpo, falar de um ser humano integral ainda é visto com receio por muitos médicos, principalmente no Brasil, porque muitos entendem isso como falta de conhecimento técnico.

Dra. Maria Henriqueta Camarotti“Mas a verdade é que nós médicos devemos ir além dessa ciência fechada numa caixa quadrada.

Nós podemos ter o conhecimento da biologia, da psicofarmacologia e ainda assim entender essa pessoa de forma mais ampla, como muito mais do que uma reação química.

A saúde mental não pode se reduzir ao tratamento de diagnósticos psiquiátricos”, afirma Dra. Maria Henriqueta Camarotti, psiquiatra, neurologista, escritora e pesquisadora que há 20 anos trabalha por uma saúde mental mais humanizada.

Dra Eleanor Madruga Luzes“O que acontece é que temos uma medicina baseada em hipóteses, muitas delas que nunca sequer foram provadas, mas que ganharam força pelas publicações financiadas pela indústria farmacêutica.

É importante que as pessoas entendam que o que define ciência é o seu caráter de reprodutividade.

Então por um lado eu vejo técnicas naturais poderosas como o Renascimento, que já curou comprovadamente milhares de pessoas ao redor do mundo; e por outro lado eu vejo pessoas que tomaram a vida inteira um medicamento antidepressivo, que já se provou possuir efeito placebo, e não melhoraram.

Mas são estes medicamentos que são aceitos como ‘científicos’ pela sociedade”, alerta a psiquiatra Dra. Eleanor Madruga Luzes, PHD em Ciência do Início da Vida, uma tese transdisciplinar inédita baseada em vasta documentação científica.

 A Medicina está olhando para o lugar certo?

No caso de Ana Maria Saad, e como de tantas outras pessoas que sofrem com esses transtornos, ela foi descobrindo ao longo do processo que a grande causa de ter adoecido não era orgânica e nem apenas genética, mas sim fruto de um histórico familiar disfuncional, de abusos e abandono emocional.

E a cura só é possível quando você se aprofunda em sua própria história e entende a doença não como algo que precisa ser extirpado com medicamentos, mas sim integrado a você.

Ana Maria Saad filme depressão

Mas atenção: quando falamos que nesta concepção o paciente é o principal responsável pelo seu processo de cura não queremos dizer que ele irá se curar sozinho.

A ideia é que ele entenda que é preciso se apropriar da sua doença como parte da sua história de vida, entendê-la dentro de um processo evolutivo que veio para transformá-lo e que os médicos e terapeutas estão ali para auxiliá-lo na caminhada, mas só o paciente sabe o que é melhor para si.

Então quer dizer que a cura existe?

Esta pergunta chega todos os dias à Ana. Vem de pessoas de todos os lugares do Brasil e até de outros países que encontram a ONG Pensamentos Filmados pela internet na busca desesperada para sair do sofrimento. Ao que ela responde:

“Depende; o que é cura para você?”  

Para mim, cura é chegar a:

  • desenvolver uma auto estima elevada. Você se sente bem na própria pele, com um amor incondicional por si mesmo.
  • colocar a sua mente a seu serviço, deixando de ser refém dos próprios pensamentos e emoções.

Isso não significa que você nunca mais vai ficar triste, ansioso ou com raiva, porque você é apenas um Ser Humano, mas você não terá mais sofrimento e drama na sua vida, entende?”, resume Ana Maria Saad.

Ana Maria Saad depressão documentario

Ampliar o conceito médico de cura é um dos grandes propósitos do projeto MeDISMente.

Tendo como base não só os preceitos da Medicina Integrativa, mas também a Ciência da Epigenética que vem demonstrando há mais de 30 anos que não estamos condenados pela nossa genética e que podemos, sim, nos transformar a partir de nossas percepções, crenças e mudanças de hábitos.

“Quando me perguntam isso no consultório eu sempre respondo: E será que nós temos cura?

Será que o que você esDra. Maria Henriqueta Camarottitá chamando de cura é deixar de ter  sintomas e voltar àquela vidinha de sobrevivência que você tinha antes?

Ou cura não seria uma caminhada em direção a um crescimento mais amplo da sua consciência?

Se eu imaginar que cura é o próprio processo de caminhada, então nós vamos estar sempre em direção à cura”, diz Maria Henriqueta Camarotti, que compartilha no Congresso MeDISMente sua tese da consciência autocurativa.

Como sabiamente a Dra. Henriqueta costuma ilustrar, é como se vivêssemos ainda o Mito da Caverna de Platão, no qual as pessoas estão presas à projeção de luz da caverna e acham que aquelas sombras são a única realidade.

Até que um dia uma pessoa se inquieta, decide sair da caverna e descobre que existe um mundo maravilhoso a ser explorado.

E então?

Vamos continuar deixando que o diagnóstico psiquiátrico, baseado apenas em opiniões, nos impeça de ir em frente, ou vamos sair da caverna e explorar o mundo de possibilidades que existe para sermos felizes e saudáveis?

Matéria: jornalista Mariana Bottan
Gifs: feitos por amigos
Ilustrações: Ale Ono
Fotos: Filme SS de Beauté - os sintomas da depressão

23 respostas para “Depressão: a Grande Verdade que não estão te contando”

  1. Patrícia disse:

    Tenho 33 anos, estou passando por uma fase muito difícil, em mais uma das várias recaídas em minhas crises de depressão e transtorno de ansiedade. Comecei a ver seu conteúdo há alguns dias e é tudo que venho procurando! Já tentei homeopatia, aromaterapia, ioga, mas não consegui melhorar e voltei a tomar antidepressivo. Quero encontrar uma cura definitiva para o meu caso! Não aguento mais viver desse jeito! Você tem indicação de algum profissional em Belo Horizonte que possa me ajudar?

  2. Debora Stürmer disse:

    Olá! Quero muito participar, como faço? Por favor respondam!

    • Olá Débora!! Estamos começando em breve uma nova campanha de lançamento do nosso Club, que dá direito ao Congresso medismente. Se inscreva por favor nesta pag aqui pra vc receber nossas novidades e conteúdos por email: anamariasaad.com.br/inscreva

      E pra saber como entrar no nosso Club da cachola e como ele pode te ajudar vja aqui: anamariasaad.com.br/clubdacachola
      Bjoks, qlquer dúvida me escreva!

  3. Igor disse:

    Oi Ana, já confirmei minha participação e agora como faço para receber o guia. Tenho muitas dúvidas, vou precisar de um psicólogo ou apenas o guia basta ? No caso como achar um psicólogo bom que entenda sobre oque você fala ? Queria muito começar o tratamento o mais rapido possível, acredito na cura!!! Obrigado Ana e a todos do club !😃

  4. Kellen disse:

    Ana meu amor, onde está aquela listinha que tem varios profissionais de varios seguimentos? pode me passar o link da lista por favor?

  5. Igor disse:

    Olá meu nome é Igor tenho depressão e queria participar do club da cachola mais como faço ?

  6. erika disse:

    Ola meu nome é Erika,fui diagnosticada com depressao e sindrome do panico ha 5 meses, sei que devo fazer algo mas nao tenho forças nem animo, começei a tomar as medicaçoes mas sinto-me melhor um dia e no outro so quero dormir e chorar. Como devo fazer para começar…minha cabeça nao para nao me deixa dormir e meu corpo nao quer fazer nada

  7. Gerson disse:

    Olá Ana
    Sogro com episódios de depressão desde criança, estou com 49 e ainda sofro com isso.Percebo que dependendo da fase da vida fico pior, vou ao psiquiatra tomo remedio por mais ou menos 01 ano e fico bom,mas,com os fatos negativos da vida vou ficando deprimido.Estou pensando até em tratamento espiritual, pois , isso é muito desgastante e todos nós queremos apenas viver intensamente nossas vidas.Um abraço

    • Gerson, meu amor, oq vc precisa é olhar pra sua história e entender pq a depressão apareceu. Ainda mais que vc se sente assim desde criança, isso é apenas mais um fator que mostra como o buraco é mais embaixo. Só o antidepressivo não cura ngm, vc ja deve ter percebido isso, né? Então veja este filme pra refletir qual a mensagem que sua doença ta te trazendo: https://www.youtube.com/watch?v=G2U2Y_f9L8g

      Veja tbm esta série de posts que fiz pois nele trago a maior causa de depressão, tente refletir se este pode ser o seu caso: http://www.anamariasaad.com.br/como-se-matar-de-modo-rapido-o-suicidio-perfeito/

      E principalmente: pra td tem jeito! Com ajuda de um bom terapeuta, mergulhando dentro de si mesmo, vc encontrará a sua fonte de saúde e poderá ter a vida que vc quer! Autoconhecimento é o caminho! Beijos e qlquer dúvida só escrever!

  8. Nádia Regina disse:

    Ol Ana…tudo bem!!
    Interessante essa questão do Campo Familiar….comecei a pensar sobre meus familiares diretos…avós e pais e, realmente, vejo que ha muitos sintomas de depressão, incultido…pois é, percebo que é algo que convivi a vida toda sem me dar conta do quanto isso me influenciaria no contexto atual.

  9. Sandra Moreira disse:

    Na teoria tudo é muito bom, agora colocar em prática que é meio difícil, mas não impossível. Acredito piamente que a felicidade é de dentro pra fora e quando colocamos o nosso potencial a favor de nós, com certeza tudo melhora.
    Adorei as dicas!!

    • Oii Sandra, que bom que este conhecimento te ajudou de alguma forma. Agora, como sempre digo, a cura exige muita coragem, pois coragem significa: AGIR com o coração. Então, sem AÇÃO, não há transformação. Se vc precisar de ajuda para tomar estes primeiros passos, se inscreva nesse link pois nós sempre mandamos muitas dicas e ao se inscrever vc terá acesso a um guia prático que tem ajudado centenas de pessoas: anamariasaad.com.br/inscreva.
      Ação e força na peruca! beijoks

  10. Thais Reder disse:

    AMEI TUDO ISSO, E SÓ NÃO CLIQUEI POR uma dúvida. É POSSÍVEL RECOMEÇAR A VIDA AOS 65 ANOS?NESTA IDADE HÁ POSSIBILIDADES?QUERO ME LIVRAR DE RIVOTRIL DE APRAZ DE TODAS AS DROGAS MAS QUE HORROR QUE SÃO AS CRISES ,OS GATILHOS,FALE SE ISSO É PRA QUEM É JOVEM OU SE HÁ FELICIDADE NA TERCEIRA IDADE, EU NÃO SOFRO DE NADA A NÃO SER ESSA PORCARIA DE DEPRESSÃO, ANSIEDADE E SINDROME DO PÂNICO.No face eu uso um pseudônimo mas meu e-mail real é esse abaixo me respondam ainda nem vi tudo.E só quem paga faz parte do grupo do clube da cachola ou não?o pagamento é pra vídeos, leituras etc?

    • Thais,

      Imagina uma pessoa que passa a vida toda sendo chamada de analfabeta, se sentindo mal por isso, triste, como se uma faca cortasse seu coração.

      E aí aos 67 anos a ficha cai e ela percebe que pode fazer algo a respeito.

      Então ela vai aprender a ler. E aos 79 anos se forma na faculdade!

      Essa história é real, é de Dona Leonides Victorino. Dá uma olhada aqui depois pra se inspirar: http://glo.bo/1IsjXmS

      Recomeçar é sempre possível, basta querer!

      Há milhares de historias de pessoas na terceira idade que mudam de vida, que aprendem a surfar, que casam, que começam um novo negócio, que mudam o estilo de vida.

      E pra se livrar dessas drogas vc precisa mudar seu estilo de vida. Ir pro Yoga, Meditação, fazer terapia…. Vc já baixou o Guia que te demos de presente? Lá explicamos o caminho a ser feito pra gerar saúde.

      No Club da Cachola temos pessoas de várias idades, inclusive da sua. O Club é pago, assista esse video e leia essa pagina pra entender melhor: http://www.anamariasaad.com.br/clubdacachola/

      E ele da direito nao so a palestras, entrevistas e videoaulas mas tb a uma programação de 12 semanas pra vc saber como trilhar seu caminho da cura. o que realmente é importante.

      É isso bela, recomece!

      bjokaaaaaaaa

  11. D disse:

    Olá Ana Maria, o seu caso teve alguma predisposição genética, algum caso na família?

    • Dani,

      A ciencia da epigenetica veio pra substituir o determinismo genetico, e segundo essa ciencia a genetica é responsavel por apenas 20% no aparecimento das doenças. Podemos ter o gene dela, mas o que dispara é o ambiente, entende?

      Segundo a psiquiatra Dra Eleanor Madruga Luzes (http://www.anamariasaad.com.br/nossos-experts/dra-eleanor-madruga-luzes/) esses transtornos são transgeracionais,ou seja, nao é uma questao de genetica apenas, mas do campo familiar.

      E geralmente quem adoece tem isso no campo familiar. Se nao for de um parente proximo, pode ser de alguem distante.

      No meu caso, na minha familia teve muita gente transtornada sim, mas devido a disfuncionalidade dos lares. Se pegamos cada um que adoeceu e analisarmos as historias de vida, elas sao parecidas: falta de cuidado, amor e respeito.

      Vixe vc perguntou uma coisa e eu divaguei! hahahah

      bjokaaaaaaa

Pegue esse ebook gratuito hoje:

Tablet e smartphone
7 Causas para você ter adoecido
  • A ciência que embesa sua cura
  • Como acabar com as racaidas
  • Remédio não é para a vida toda (ufa)!