fbpx

Rivotril clonazepan

Rivotril, o tal tranquilizante tarja preta, é tipo a madrasta evil da Bela Adormecida ou ele tá mais pra própria mocinha indefesa, a princesa?

Se bem que a Malévola de hoje, interpretada pela bonitona Angelina Jolie, parece ser a vilã, mas na verdade a bruxa só tá reagindo as sacanagens que aprontam com ela. E a princesa indefesa que era blaze, “desblazeia” e defende muito bem a “miga” Malévola. As duas são unha e carne.

Essa versão atual do filme foi a tentativa de deixar um conto de fadas mais humanizado, porque esse lance maniqueísta de mocinho vs vilão, não cola mais no mundo real. A audiência cansou dessa fantasia toda.

Se você sofreu de “Breaking Badite Aguda” e afundou seu sofá após passar horas, talvez até dias, sentado na frente da TV até assistir a todos os episódios da série de sucesso Breaking Bad, protagonizada pelo saudoso Walter White, você sabe bem do que eu tô falando.

E, se em seguida pra aplacar a dor de ficar órfão de Breaking Bad você foi se consolar assistindo a série House of Cards, então toca aqui!

Em House of Cards, quando a gente vê tá torcendo pelo vilão Frank Underwood e sua esposa, a classuda das classudas, Claire Underwood.

Claire Underwood

E por quê? Porque eles não são só vilões, eles foram humanizados e a gente se identifica com eles, já que o bem e o mal está em todos nós, tudo tem várias facetas, até mesmo o remédio Rivotril (Clonazepan).

Rivotril: mocinho ou vilão?

O problema minha gente, não é o Rivotril e seus colegas “benzos” (benzodiazepínicos), mas o uso que se faz deles.

Uma vez numa roda de descolados inteligentes, ouvi uma advogada bem sucedida soltar a frase: “não confio em quem não toma Rivotril”, querendo dizer que o santo remedinho era comum e até “obrigatório” entre seus amigos.

Minha leitura julgadora sobre eles: um bando de normalóides que vivem na bolha e só olham pro próprio umbigo.

A necessidade de viver como se a vida fosse uma timeline divertida do Facebook cheia de jantares, viagens, compras incríveis, festas, vídeos engraçados e só coisas legais, não os permite enfrentar as adversidades da vida, e a própria vida, sem uma “pílula mágica”.

São pessoas que não tem transtorno mental algum, mas tomam uma pílula pra acordar e outra pra dormir graças a médicos tão normalóides quanto eles que prescrevem essas drogas tarja preta de maneira completamente arbitrária e irresponsável. Tem até dentista prescrevendo Clonazepan!

Twittável: "O problema minha gente, não é o Rivotril e seus colegas, 
mas o uso que fazemos deles" Ana Maria Saad @anamariasaad

Rivotril Cloazepan

Pra você ter uma idéia de como esses profissionais inconscientes estão detonando a saúde do povo, de acordo com pesquisa publicada no The Journal of Clinical Psychiatry69% das pessoas nos EUA que estão tomando antidepressivos nem depressão tem!

Se esses dados forem levantados no Brasil a coisa deve ser bem por aí, já que tentamos copiar tudo do Tio Sam.

No caso específico do Rivotril, ele é um dos remédios mais vendidos no nosso país Tropical, mais até do que o analgésico paracetamol. Só em 2013 foram 13,8 milhões de caixas.

Os executivos da bilionária indústria farmacêutica agradecem. Graças a essa inconsciência toda, seus bônus que já tiveram redução, continuam bem altos.

Agora, se uma pessoa sofre de transtorno mental e periga surtar, o clonazepan talvez possa AJUDAR MUITO!

E quando digo surtar me refiro a pessoas que sofrem de transtornos como depressão e bipolaridade, e podem romper com a realidade. Pessoas que estão em extremo sofrimento psíquico e podem colocar não só suas vidas, mas a de outros, em perigo.

Rivotril shine

Mesmo assim, é preciso entender que esses “benzos” não são abençoados. São drogas que causam dependência não só psicológica mas física também! Tipo cigarro.

Rivotril: Efeitos Colaterais

Aliás, esse é o maior risco do uso contínuo do “santo” remédio, junto com as crises de abstinência, que geram psicoses, distúrbios do sono e ansiedade. Tudo aquilo que o cidadão quer combater quando começa a tomar o Rivotril, vai ser reforçado pelo próprio!

E mesmo que você tenha orientação médica pra usar o Rivotril, você não tá livre desse risco de se viciar no remédio, não! Segundo os próprios especialistas:Não há doses seguras de clonazepan contra a dependência“, pasme!

Por isso Rivotril deveria ser usado apenas nos casos extremos mesmo.

Rivotril: Alternativas

Mas e os casos de fobia social, pânico, depressão, etc, onde a pessoa precisa de um tranquilizante?

Dá-lhe Medicina Integrativa: bota o povo pra combinar terapias, incluindo a prática de exercício físico, Yoga e Meditação que cientificamente foram comprovados como ótimos aliados da saúde, e combatem os sintomas desses transtornos tão bem quanto os remédios.

Pra você ter idéia, técnicas de respiração são capazes de baixar a pressão sanguínea!

Tanto que na Grã Bretanha nos casos leves e moderados de Depressão, a prescrição não inclui mais antidepressivos, mas isso é uma outra história.

Rivotril clonazepan

Então se você tem uma receitinha de clonzepan pense bem antes de usá-la, a caixinha pode ser barata, mas sabemos bem que nesse caso o barato vai sair muito caro!

Devora anamariasaad que você vai descobrir muitas dicas de como superar o mal estar dos transtornos mentais, sem prejudicar mais sua saúde, que já não tá boa!

Mas pode sim ficar pior se você cair nas garras de profissionais inconscientes!

É isso lindeza, e agora me diga nos comentários abaixo:

Alguem ja te prescreveu Rivotril (clonazepan)? Vc ja tomou clonazepan? Por quanto tempo? Vc toma o clonazepan, em que situações?

Me conta sua experiência nos comentários abaixo, lembre que aqui já somos uma comunidade onde pessoas vem buscar conforto, conhecimento e inspiração, logo sua vivência pode ser exatamente o que alguém precisa pra se sentir confortado e compreendido.

IMPORTANTE: compartilhe seus pensamentos e experiência diretamente nos comentário. Links para outros posts, vídeos, etc, serão deletados porque são identificados como spam.

Gracias por nos visitar!

E lembre que bost#@s acontecem na vida, faz parte e você não tem controle sobre isso. Mas você pode controlar o modo de encarar essa merd#@ toda. Eu te convido a usá-la como adubo para seu crescimento interno, topa o desafio

Fotos: Divulgação, Montagem Zueira de ET
Gifs: Feitos por amigos
Categorias: Cura

Ana Maria Saad

Te ajudo a vidar e não só sextar através do Método Rituario (Ritual Diário de DETOX MENTAL). Aprenda a meditar mesmo se sua mente não para 👽

59 comentários

Jessica dos santos menezes · 20 de outubro de 2016 às 15:14

Olá Ana, me chamo Jéssica, tenho 26 anos e desde que me entendo por gente luto contra a depressão, mas a priori, gostaria de parabenizar seu trabalho, é de grande valia para as pessoas com depressão, que na verdade é mais comum do que imaginam, porém os portadores dessa doença são os primeiros a ser preconceituosos com eles mesmos, é preciso ter consciência de que a depressão é tão perigosa quanto um câncer!!
É preciso dar mais atenção a essa doença, muito enfermos sentem vergonha de sofrer desse mal, preferem sofrerem as escuras, e sem apoio, na ninguém aguenta esse fardo.. Conscientização é o primeiro passo.

Elimar · 8 de outubro de 2016 às 21:09

Olá Ana não quero me identificar , mas Tô passando por tudo isso que vc relatou ; minha esposa toma esse Rivotril e o clonazepam já faz tempo receitado pela sua avó e sua mãe , a Tô com insônia , a minha filha toma essa metade hj ela toma por noite 2 comprimidos , ai de tanto eu pegar no pé dela , sobre tomar o remédio sem prescrição médica ela parou com ele , mas começou a tomar o tal clonazepam . Eu disse meu bem vc tá tomando esses comprimidos de novo , ela disse ; não esse não é Rivotril não esse é clonazepam , no momento não sabia depois que fui descobrir que o bendito era o mesmo Rivotril , e sempre reclamando tristeza angústia não dormia a noite ficava a noite toda às vezes acordada … É sempre falando que não era feliz que não aguentava mais , uns dois meses atrás chegou pra mim e disse que não me amava mais é que iria embora porque não amava nem ela mesma como poderia me amar , temos uma filha de 8 anos disse que as vezes revoltava com ela mesma porque sentia que não tinha sentimento nem pela própria filha , que a vontade dela era se matar . Estamos a dois meses separados e sempre fui apaixonado por minha esposa e não quero desistir dela porq sei que está doente . Vaamos fazer 16 anos de casados no dia 2 de dezembro . Agora fez uns exames e está com uns hormônios com taxa muito baixa uns até zerados e com tiróide quase zero . Já não sei o que fazer se tiver uma dica pra min por favor me ajude .

    Mariana Bottan · 10 de outubro de 2016 às 19:24

    Olá Elimar , este guia foi feito com muito amor pra responder as principais dúvidas e ser uma luz no fim do túnel. Como são muitas pessoas pra respondermos precisamos que antes você leia tudo e lá vc encontrará a resposta pra muitas destas dúvidas e entenderá como nosso trabalho pode te ajudar!

    Acesse aqui: http://www.anamariasaad.com.br/guia-vencer-a-depressao-e-ansiedade-panico/

    Bjos com muito amor =)

    Força meu amor que tem jeito, mas é preciso pegar as rédeas da sua saúde, só vc pode fazer isso pro vc!
    Qlquer dúvida nos escreva!

EDUARDO MAIA · 10 de setembro de 2016 às 19:09

Ana, boa noite tomo esse veneno há 02 anos receitado por um neuro pois tenho enxaqueca, agora estou apartir daí nunca mais fui o mesmo sofro com todos os sintomas descritos na depressão tento parar de tomar mas acho que tenho crise de abstinencia, choro sempre perdir a vontade e o amor pelo trabalho o que sempre amei, estou tendo prejuízos de todos os tipos na minha vida, por favor me ajude. Preciso sair rápido desse quadro pois posso perder meu casamento e até meus filhos,
pois minha esposa não entende o que eu estou passando. Só tomo esse veneno a noite pois tenho insonia muito forte. Abraços Eduardo

    Mariana Bottan · 22 de setembro de 2016 às 18:19

    Eduardo, meu querido, os remédios Não são a única altermativa nem o item principal do tratamento.
    Yoga, meditação são remédios naturais pra te ajudar com a ansiedade.
    Leia este nosso guia tem bastante informaçao pra te ajudar a conhecer este caminhos que existem, pois são muitos: http://www.anamariasaad.com.br/guia-vencer-a-depressao-e-ansiedade-panico/

    Qlquer dúvida nos escreva.

Robson · 22 de julho de 2016 às 21:18

Tomo essa mera a mais de 1 ano , 10 gotas por dia como faço para me livrar ?

Sarah · 6 de maio de 2016 às 08:08

Eu uso Rivotril 0,25mg sublingual em casos emergenciais, não tomo todos os dias. Tenho transtorno obsessivo compulsivo e transtorno de personalidade borderline, e em associação com o antidepressivo diário, ajudam a controlar as crises.
Mas vicia sim, como eu não preciso usar todo dia, tem situações que me sinto cansada e me lembro do “santo remedinho” e coloco embaixo da língua, sim, o organismo “pede”.

    Ana Maria Saad · 6 de maio de 2016 às 14:04

    Sarah, veja este filme pra entender pq o verdadeiro remédio é o autoconhecimento e qual a mensagem destes transtornos todos. Apesar do filme falar sobre depressão, a mensagem dele diz respeito a tds estes transtornos, pois aqui não nos atemos ao rótulo e sim ao ser humano que adoeceu. Qual sua história? isso é essencial descobrir!
    https://www.youtube.com/watch?v=G2U2Y_f9L8g

    Veja sobre nosso trabalho como podemos te ajudar, qualquer dúvida nos escreva: anamariasaad.com.br/faq

Débora Regina Gomes Lima · 26 de abril de 2016 às 21:31

Ana não aguento mais. Tomo um monte de remédios controlados. Abandonei meu trabalho, sou pobre não tenho grana para tratamentos alternativos tô mo-rren-do. Não durmo perdi meu pai e 1semana e as coisas só pioram não tenho apoio familiar gostaria de me internar para desintoxicar pois faço uso de drogas á 20 anos. Tentei me matar não deu certo infelizmente. Estou muito fraca acho que até anêmica. Ana tem um monte de coisas para dizer mas para preservar minha imagem e não correr risco de perder meu filho novamente vou manter um pouco de descrição. Ana me ajude por favor quero morrer, mas sei que é o contrário o desespero fas a gente cometer merd@. O suicídio ou tentativa é só a maneira dentre muitas outras de clamar por socorro, olhe para mim estou aqui me ajude, mas ninguém liga apenas me rotular de coisas que se quer compreendo pois a minha realidade é diferente de quem tá me julgando. Não sei o que fazer vejo Deus vídeos faço meditação guiada, exercícios de relaxamento mas quero me livrar das porcarias que tomo. O médico disse que para me desintoxicar devo me internar por um ano, e isto vai resolver meus problemas? Minha depressão e distimia vão desaparecer? E as dores no corpo vão parar? Claro que não quero ser feliz vc tem dicas de como posso conseguir profissionais dispostos a me ajudar com himanidade? Já bati numa escola de yoga e pedi para fazer exercícios e em troca trabalhar voluntariamente não deu certo. Fica aqui registrado um pouco da jornada do meu desespero. Bjks.

ME AJUDE POR FAVOR!!!

    Ana Maria Saad · 28 de abril de 2016 às 18:32

    Débora, vamos te ajudar sim. Vamos lá vc usa drogas há 20 anos, deve vir desde então sofrendo (pq os vícios são mecanismos de compensação, pra fugir da dor), então isso mostra que o buraco é mais embaixo. Veja esta série de posts sobre suicídio pois ela é MEGA IMPRTANTE pra vc entender que sua doença, seus vícios e sua vontade de morrer não vem do nada e se vc não mergulhar fundo no autoconhecimento, com boas terapias que te tratem por inteiro, vc não vai sair dessa: http://www.anamariasaad.com.br/como-se-matar-de-modo-rapido-o-suicidio-perfeito/
    Como foi sua infância? Veio de um lar disfuncional? Meu amor, as raizes estão 99% dos casos aí.
    O caminho é vc encontrar urgente um excelente terapeuta que te trate por inteiro, junto com um bom médico que entenda desta questão do detox, mas profissionais humanos.

    Yoga, meditação, claro, td isso é essencial, mas deve vir no passo a passo. Então calma, vc não vai desmerdear sua vida em um dia. Vc levou uma vida pra adoecer, e ganhar saúde será um outro processo. Ainda está passando por uma perda do pai, isso tudo desestrutura qlquer um, ainda mais qndo ja vem de um histórico. Então tenha paciência contigo. Um passo por vez.

    e o primeiro passo é buscar esta ajuda. Neste guia aqui te mostro os caminhos que vc pode buscar, onde encontrar algo em conta ou mesmo gratuito. A questão da permuta é uma excelente ideia e temos varias experiencias positivas em relação a isso. Não é pq a escola de yoga não aceitou que outros não aceitarao.
    Leia o guia: anamariasaad.com.br/inscreva

    Onde vc mora? de repente conhecemos alguém pra te indicar!
    Vamos conversando! força, tamo junto!

carla · 1 de abril de 2016 às 09:10

Olá Ana, desde adolescente sempre fui hiperativa, queria abraçar o mundo com meus bracinhos, sempre trabalhei voluntaria na ajuda de outras pessoas, aos meus 15 anos vi todo sofrimento do meu unico irmao com uma profunda depressao acompanhada de TOC, na epoca ele tinha 17 anos e todos sofremos muito com seu sofrimento, ele passou por diversos expecialistas, tomou todo tipo de remedio que possa imaginar hj ele tem 30 anos e ainda nao se curou segundo o psquiatra dele Ele nao se cura mais, que pode apenas controlar as crises com rivotril e Clonazepan, mas voltando a falar de mim .. bem eu jurei a mim mesma que nao deixaria que isso chegasse a mim nunca, mas a 2 anos atras após dar a luz a minha filha tive algumas complicaçoes que me geraram panico e ansiedade generalizada, na epoca nao tratei, mas lembro dos pensamentos terriveis que me assolavam e da sensaçao iminente que ia morrer e deixar minha bebezinha indefesa orfã e isso me maltratou e muito, passado um tempo tentei sem ajuda profissional ficar melhor e fui p atividades fisicas e olha deram resultado, mas a alguns dias tive outra recaida e fui no psquiatra que me receitou as mesmas drogas que meu irmao toma, estou tomando a 8 dias e fazendo caminhada e ja me sinto bem melhor, e suas publicaçoes tbm são de grande ajuda para mim estao me ajudando aos poucos abrir minha cachola tbm, obrigado por sua ajuda, só lamento nao fazer parte do clube atualmente estou desempregada e minha situaçao financeira nao ta boa, mas mesmo com o conteudo gratuito ja me ajudou a refletir e muito!!obrigada mesmo por esse lindo trabalho!!

    Ana Maria Saad · 1 de abril de 2016 às 17:47

    Carla, meu amor, continue pesquisando aqui no meu blog, pois o psiquiatra do sue irmão está COMPLETAMENTE EQUIVOCADO E ATRASADO. o problema não é vcs, é a medicina que só sabe receitar remédios. Meu amor, qnd estes sintomas se manifestam na família demonstram que a causa de adoecimento está na família, na história de vcs de vida, em traumas, em lar disfuncional, abusos, etc. A doença não vem do nada.
    Veja por favor este filme pra entender: https://www.youtube.com/watch?v=G2U2Y_f9L8g
    E depois baixe meu guia pois lá tem dicas de como vc pode ter açoes e buscar as ajudas certas, sem se entupir de remédios: anamariasaad.com.br/inscreva

    Com este conhecimento vc poderá buscar boas ajudas e então trilhar o caminho da cura, que não está no medicamento. E médico que fala que “é pro resto da vida” é desatualizado e desumano, pois a natureza da vida é a transformação e a ciência mais do que já provou isso. então fuja deste médico. Veja este material e se tiver qlquer dúvida entre em contato para te indicarmos onde encontrar bons médicos. Bjoks e força, pq tem jeito!

Stella · 28 de janeiro de 2016 às 00:26

Olá!!!
Uauu gostaria de poder ler todos os comentários….Ana,vc é uma linda!Pessoas como vc deveriam caber num potinho para carregarmos no bolso…rs! Vou Contar minha história, e espero que sirva e ajude a todos…Ainda estou em tratamento,a empresa do meu noivo mudou o convênio (eu uso o dele,temos uma União Estável) e estou esperando o dia da nova consulta com o psiquiatra para que ele me dê o encaminhamento para psicoterapia….Meu “diagnóstico” era depressão,síndrome do pânico,e ansiedade generalizada….Eu tomava Bupropiona,Zolpidem e “Rivotrex” eu mesma o apelidei assim…rsrs… eu não aguentava mais… meu fígado gritava aki pra mim: ” Vc vai me matarrrrr” rs… sim… eu falo assim pq desenvolvi uma gastrite com refluxo!! e nosso corpo fala!! minha garganta ardiaaaaa com o uso de tanta medicação e o eu que eu fazia?? Tcharammmm da-lhe remédioooo,mais remédio….até que falei pra mim… EU VOU ME AMAR… Ou me mato de uma vez…já era…Sou uma pessoa de Fé…os próprios psicólogos falam que é bom acreditarmos em algo neh?! e como uma verdadeira Espírita…comecei a pensar cmgo memsma….estou matando a chance que Deus me deu de cumprir minha missão…Deus me deu um corpo e estou detonando ele!!!! Wowwwww Plimmmmmm!!! Um insight….falei vou parar primeiro com o bup…foram longassssss idasssss ao P.S pois a reação foi Enxaqueca (Eu já sofria) as dores que sentia….são inexplicáveis…vtade de tirar minha cabeça fora!!!e ai só dipirona na veia…e mais algumas outras droguinhas tb…..depois dos longos 5 anos e 5 meses da minha vida passei por mtos terapeutas e psiquiatras e tomei mtos e mtos outros remédios… Sertralina,Fluoxetina,Pristiq,Venlafaxina, Paroxetina, (que foi o pior) o Bup…e deve ter tido outros tb……O zolpidem tb foi assim,simplesmente tirei! fiquei 3 noites e 4 dias acordada…mas FIRME no meu propósito…eram eles,ou eu…até que dormi!!! Hj,não posso enconstar em qualquer lugar que durmo…kkkkk E enfim…Eis o objetivo final da minha história…. Minha irmã tem um cliente Psiquiatra,”Esse Anjo,Milagroso”que entrou na minha vida….pq faltava o Rivotril ainda neh…e ele era um caso de amor….ele era meu sonho…enfim,ela contou pro médico,que era dependente de Rivotril…ele comentou que achava um absurdo a indicação deste remédio…pois matava aos poucos….Dr. Geraldo “meu salvador” rs… entrou com um pedido de
Clordiazepóxido (Librium, Psicossedin) de 0,0005…. disse que pela dosagem eu poderia tomar até 12 por dia…e ir diminuindo o uso do clonazepam…até que..eu e meu noivo terminamos!!ele falou barbaridades,eu tb,foi feio!! e uma das coisas que disse que me MOTIVOU foi “Vc não vai poder ser Mãe!” ai ele tocou na ferida..eu amo crianças!e esse toque doeu,mas acrediteee! Tem Males qque vem para o bem! nós terminamos,e eu terminei com o rivotril tb!rsrs… Ele disse,mas ñ parei por ele,eu parei por mim….fiquei pensando em um dia no meu bb…em ser perfeitinho…na minha saúde,na minha memória, em ser Euuu de volta!! e joguei fora!! 3 caixas e estou com uma receita aki de 3 caixas de 2mg…PAREI!! hj,é o 16o dia!! dezesseis dias sem rivotril na minha vida!e 7 dias sem Clordiazepóxido (Librium, Psicossedin) pq ai falei…por mais q seja mais tranquilo,não vou trocar 6 por meia dúzia neh?! E é isso ai pessoal….entrei com esse remédinho ai… que não alterou a minha personalidade,ele desacelerou meu coração e agora,estou tomando um fitoterápico e aguardando ansiosa rs o dia da minha consulta não pra pedir receita!! mas pra voltar pra Terapia…Acreditem em outras alternativas,passei por crises de abstinência….Sei EXATAMENTE o que é..mas não tive um pingo com a ajudinha desse remedio…seiii tb que a ativ fisica seria o ideal tb…masssssss…rsrs a unica coisa q gosto é dança…sempre dancei,mas estou sem trabalhar…quero e preciso voltar…e estou esperando uma vaguinha no Sesc para a pratica da Yoga…além de fazer meu futuro psicólogo,”o meu rivotril”…é isso ai pessoal…Anda com fé que ela não falha !!!Um beijo a todos…e ah!! “cheguei a tomar uma cartela de 2mg” por dia…bjossssss e sai do Rivotrilll!!!!!

    Ana Maria Saad · 2 de fevereiro de 2016 às 16:23

    Stella, rs, vc é uma fofa e figura! Obrigada por compartilhar seu conhecimento e experiência de vida.
    A verdade é que o remédio não é mocinho, nem vilão, o problema é como fazemos uso dele na nossa vida ( e se nosso caso é caso de remedio), pois NUNCA ele deve ser o único e principal tratamento, é só um paliativo, qnd a pessoa ta mt mal, pq os efeitos colaterais são mt ruins. Então fico feliz que vc tenha tomado consciência que vc precisa cuidar de si e se amar. Mas para isso, não é preciso só largar o remédio (ele não é a origem do seu mal), mas sim vc ter ações diárias que vão te levar ao autoconhecimento (pra entender afinal pq veio tds esses sintomas que te fizeram ir buscar o remédio em primeiro lugar) e à mudança do estilo de vida, se cuidando de dentro pra fora! Pra isso, a chave é Yoga e meditação (inclusive são os pscotrópicos nao qúimicos mais receitados para acalmar a mente, relaxar, ter uma boa noite de sonhos e ir despertando a consciência sobre o que se passa na sua mente e no seu corpo – a chave da cura está aqui!!!). E exercício físico como vc bem disse! Se n tem dinheiro pra dança, dance em casa ou saia para uma caminhada, mas comece a AGIR. pois só da ação vem a transformação! E se inscreva no nosso blog e baixe o guia “2 macetes para melhorar de vez e o melhor sem se entupir de remédios” pq teremos muuuuuuitas dicas e ferramentas pra te auxiliar nesta caminhada e nova fase!
    Beijoks e mande notíciias, queremos vc bem e acompanhando nosso trabalho: anamariasaad.com.br/inscreva

Marcele · 20 de janeiro de 2016 às 12:59

Olá Ana, eu respeito muito o trabalho que tu tens feito, me ajudou muito num momento de “baixa” que tive, muitos meses atrás. Sou bipolar e, como muitos já comentaram acima, já usei muitos remédios diferentes. O lítio é o único que permanece comigo por 7 dos 8 anos que fui diagnosticada. Maravilhoso, sempre digo que o lítio salvou minha vida, pois antes dele não haveria COMO eu conseguir pensar, refletir, considerar, analisar… Justamente por isso eu acredito que o teu trabalho é efetivo, principalmente, entre pessoas que já têm um acompanhamento psiquiátrico sólido, já atingiram um certo grau de estabilização e, nesse contexto de “já estar quase bom” são capazes de pensar, meditar, fazer yoga, pensar em medicina integrativa, pensar em saúde, sabe? Como uma pessoa que sente tanta dor, como a Márcia, nos comentários acima, pode sequer imaginar que sua saúde é importante? Eu, que já me sinto mais estabilizada, porém sofro constantemente com os resíduos de sintomas que fazem parte de mim, tenho dificuldade em me preocupar com minha saúde, imagina quem está “no fundo do poço”? Aí que entra uma grande dúvida: como aplicar teus conselhos, caso a pessoa tenha EVDÊNCIAS, fatos, lembranças verdadeiras e contexto de vida negativos? O que fazer quando o “quentinho da merda” na verdade é uma poça de areia movediça? Digo, de verdade. Eu te pergunto isso pois, a impressão que eu tenho, é que quanto mais nos auto-conscientizamos, quanto mais estudamos, conhecemos, buscamos, analisamos, criticamos, buscamos evidências, buscamos conexãoes…..mais perdemos a capacidade de “acreditar” que ficará tudo bem. Sabe quando nos dizem “vai ficar tudo bem”? Eu respondo: oi? tu é vidente por acaso? Quem disse que vai ficar tudo bem, se do jeito que está não está nada bem. Sabe? Posts acima mostram isso claramente, algumas pessoas precisam de ajuda para sair da poça de areia movediça, e isso pode ser com o remédio certo ou com outro ser humano…mas… aí que tá a coisa… se o problema dessa pessoa for real, sabe, se ela te contar a vida dela e tu concordar: “pois é, difícil, sinto muito que tu tenha passado por tudo isso”, tu realmente acredita que um ser humano auto-consciente e capaz de relativizar e ponderar situações consegue se iludir a ponto de querer “viver”, ou querer “cuidar da saúde” ou ir numa aula de yoga e se deparar com a sociedade apenas para re-afirmar a falta se sentido em tudo isso? Bom, acho que é preciso fé, sabe, fé no sentido de ser capaz de “acreditar”, ser capaz de sentir conforto com pensamentos “abstratos” para poder simplesmente aceitar que o sofrimento vale a pena… Para finalizar, meu psiquiatra me passou diazepam mês passado, para dormir, e não quis usar, aí esse mês ele me passou rivotril sub-lingual para usar eventualmente, quando estiver em mania, também não vou usar. Associo 0.5mg (meio comprimido) de alprazolam, apenas para dormir, com meu lítio e deu. Faço auto-terapia cognitiva-comportamental e estou indo bem, finalizando minha tese de doutorado esse mês, mais tranquila que muitos amigos meus na mesma situação. Tudo certo com meu relacionamento, alguns conflitos “internos” com família, mas nada de mais, iminência de ficar desempregada, mas tudo sob controle… Mesmo estando tudo “ok”, não me venham com “vai ficar tudo bem”, pois ninguém sabe se vai ficar tudo bem ou não. Também não me venham com dogmas psicológicos, pois o sofrimento não tem padrão de comparação. Quem relativiza e percebe que está “na merda” mesmo, não vai pegar a bicicleta e ir pro parque, isso serve para quem relativiza e percebe que, de fato, não existe evidência para tanto sofrimento… Enfim… mais respeito sabe, menos estigmas, mais tolerância, falar para uma pessoa como a moça acima “que ela precisa isso ou aquilo” ou “abra a janela, troque de roupa e vá dar uma volta” pode ser pior do que dizer “sua família está ciente da sua condição? Peça ajuda para eles agora, grita, chora, esperneia, não precisa sorrir, tu não quer sorrir, pode gritar”. Isso, para mim, é saber discernir e ser racional de verdade.

    Ana Maria Saad · 29 de janeiro de 2016 às 16:34

    Olá Marcele, o nosso trabalho foca na solução. Nós mostramos os caminhos e orientamos, pq mts vezes o que falta para a pessoa é informação mesmo. Agora, depois desse passo, é a pessoa que deve querer re-significar td isso, querer encontrar algo de melhor dentro de si, querer descobrir isso. Vai ficar td bem, é uma questão de entrega interior, de fé no seu processo de saúde, é estar mal, mas estar bem, pq faz parte cair. O que importa é oq vc irá fazer para sair, independente que vc caia, levanta e segue de novo. agora oq nao posso é instigar as pessoas a se manterem no estado de inação. o meu trabalho pede ação da pessoa. Caso vc queira saber como a ONG pode de fato ajudar e como é nosso trabalho, veja aqui: anamariasaad.com.br/faq. E e tiver afinidade com nosso trabalho, só se inscrever para receber nossas dicas em anamariasaad.com.br/inscreva. beijos

Sheila Silva · 18 de janeiro de 2016 às 14:02

Olá! É meu primeiro comentário aqui. Na verdade a correria do trabalho, estudos e o trabalho doméstico atrapalha um pouco o meu acompanhamento. Mas sendo bem franca, tenho medo de falar no assunto pq já passei por “MAUS BOCADOS”. Fui dependente de PAROXETINA durante 9 anos. Quase morri no início do tratamento por causa dos efeitos colaterais, mas depois de tanto os médicos insistirem que eu precisava da droga até fiquem bem por um tempo. Mas a dependência é horrível, ficava dois dias sem o comprimido e tudo voltava, pânico, tocs, depressão, ansiedade ao extremo. Até que ha um ano me desintoxiquei e sai da PAROXETINA, porém estou precisando do RIVOTRIL e também ALPRAZOLAM diariamente. Queria sair de tudo mas passo mal, me travo toda, o coração vai parar na garganta e reduzo a produtividade em todos os aspectos. Sei que atividade física é ótimo mas tenho problemas de coluna, nem toda atividade serve pra mim. AFF MULTIPLICADO. Estou em terapia com psicólogo mas não acho resultado desejado. Grata pela atenção! Bjs

    Ana Maria Saad · 26 de janeiro de 2016 às 18:29

    Sheila, se vc está em terapia e não está vendo mudança alguma dentro de vc é hora de procurar outro profissional. E o medicamento deve ser usado com sabedoria, sendo uma muleta pra dar aquele empurrãozinho para vc buscar outras alternativas. não se limite a ele e aprofunde em seu processo de autoconehcimento pra entender da onde está vindo estes sintomas. Se inscreva no link abaixo e pegue o guia “2 macetes para melhorar de vez- e o melhor – sem se entupir de remédios que elaboramos para ajudar pessoas como você que não sabem por onde começar. se achar que a ONG pode te ajudar, volte e entrar em contato! e não se desepespere, juntos somos mais fortes e existe saída pra esse sofrimento! Acompanhe o nosso blog, temos muitas ferramentas p te ajudar neste processo! se cuide!
    Clique aqui: anamariasaad.com.br/inscreva

wilson dias · 16 de janeiro de 2016 às 19:37

Eu tomo faz 10 anos, quando consigo reduzir em 6 ou 7 gotas ao dia, tenho recaída, e volto a tomar de 30 a 35 por dia, escalonada. Não sei como reduzir até tirar. Eu culpo o psiquiatra em primeiro e depois a mim de aceitar os aumentos de rivotril. Agora, atualmente, estou tomando 18 gotas, vou diminuir uma gota por mês da tentar tirar de vez. Se alguém tiver outra dica, por favor, diz aí. obrigado.

    Ana Maria Saad · 26 de janeiro de 2016 às 17:56

    Olá Wilson! Em breve teremos um post apenas sobre remédios. A verdade é que o rivotril não é seu melhor amigo, nem seu inimigo. Depende do uso que vc faz dele. Vc precisa estar com um médico de confiança que te escute e te indique outros tratamentos, só o remédio não resolve. Vc deve buscar fazer outras terapias que te deem autoconhecimento para ir se libertando aos poucos do remédio. combinar tratamentos, fazer yoga, meditar, mudar estilo de vida com exercício físico e boa alimentação tudo isso é indispensável. Se inscreva no link abaixo e pegue o guia “2 macetes para melhorar de vez- e o melhor – sem se entupir de remédios que elaboramos para ajudar pessoas como você que não sabem por onde começar. se achar que a ONG pode te ajudar, volte e entrar em contato! O importante é não se limitar ao remédio e dar um passo de cada vez rumo à cura! boa sorte, estamos contigo!
    Clique aqui: anamariasaad.com.br/inscreva

Tiago · 23 de dezembro de 2015 às 01:44

Completando: Hj vc não toma nada, nada, nada??
Bjão

    Ana Maria Saad · 29 de dezembro de 2015 às 10:53

    tomei alopatia por cinco anos, qdo tentei me matar.

    minha cura mesmo nao teve alopatia envolvida, mas uma mudança de estilo de vida e tratamentos fora da caixa com profissionais humanos e amorosos.

    mas seu caso é diferente do meu. se vc se da bem com alopatia, use ate que vc possa ficar sem.

    bjokaaaaaaa

Tiago · 23 de dezembro de 2015 às 01:42

Ana,

Tomei por 7 anos, de forma indiscriminada… parei, sem grandes dificuldades, pois a sertralina me ajudava e fazia psicanalise há dois anos (eu sei que as vs vc nã´dá créditos, mas me ajudou muito).. e após 4 anos (em Julho) tive uma recaída com pensamentos de ficar louco, ou virar bipolar, pq tenho uma tia com esse diagnóstico… Ainda que duvide da questão genética, já que eles não tem um exame para identificar o gene X, Y ou Z… Mas ultimamente minha ansiedade a mil, nem a meditação e acupuntura tem me ajudado a dormir bem e ficar menos tenso… E claro, o Rivotril sim.
Já peguei o guia… Tem coisas baratas como exercicios fisdicos, tai Chi no parque, etc..Faço acupuntura por convênio (sem resultados positivos). Mas e as coisas caras com estes profissionais?? Não dá né??
Será a alopatia o fim do mundo? Estou confuso, me ajuda? Já assisti tds seus vídeos.

    Ana Maria Saad · 29 de dezembro de 2015 às 10:52

    Amado,

    alopatia nao é fim do mundo! se ela te ajuda pelo amor faça uso.

    mas assim como a homeopatia, fitoterapia, florais, acupuntura… a alopatia apenas alivia os sintomas.

    e se nao alivia mais, é pq ha feridas q vc precisa curar e nao ta olhando… a ansiedade geralmente encobre o medo. o medo faz parte desse padrao mental que vc adquiriu provavelmente la na infancia. e como transformar isso? criando novos padroes mentais. e como fazer isso?

    bom, se vc quer mesmo melhorar é preciso ir alem da sua mente e liberar as feridas encalacradas que a dona mente nem quer olhar. pra conscientemente criar novos padroes mentais.

    por isso a psicanalise nao te ajuda mais: pq fica so na mente e a mente mente muito!

    pra quem sofre de transtorno o melhor sao terapias que vao pro corpo. se vc gosta da psicanalise otimo, mas nao acha que ta na hora de sacudir?

    experimente body talk, terapia somatica, bioenergetica (ha uma clinica social com preço popular). se mesmo assim vc quiser continuar com a psicanalise continue, mas associe com uma terapia corporal com um terapeuta que vc confie.

    sua mente vai trazer mil desculpas pra vc continuar fazendo as mesmas coisas e nao melhorar de fato, a questao do dinheiro é uma delas e ja falei disso nos videos da Ana TV http://www.anamariasaad.com.br/ana-tv/

    pesquise atendimento populares e faça sua parte em casa: yoga e meditação, mas sem essa expectativa de mudar estado mental.

    me parece que vc faz as tecnicas pra mudar seu estado mental, e esse nao é o objetivo dessas tecnicas.

    o objetivo é vc ir se acostumando a ficar com vc mesmo, seja la como vc ta. o objetivo é vc se aceitar, seja mal ou bem… entende? é vc se familiarizar com sua vida interna e nao dormir melhor. dormir melhor é um efeito colateral da meditação e yoga que vem como tempo.

    alias leia o livro: yoga para nervosos do prof hermogenes.

    com ele vc podera fazer yoga em casa e ganhara conhecimento pra ir mudando a mentalidade.

    faça diferente, se de essa chance!

    🙂

Gonçalo · 13 de novembro de 2015 às 12:53

Olá, tenho diagnóstico de depressão com transtorno bipolar. Atualmente tomo (pristic (antidepressivo), Lamitor (regulador de humor) e o “bendito” rivrotril como ansiolítico).
o fato é que tenho me arrastado nos últimos 3 anos de minha vida, tenho 35 anos, estou me desfazendo da minha empresa pra focar em um tratamento, já que pensei até em suicídio como alívio. Minha família (mãe e irmãs) é o que ainda me deixam vivo. o fato é que não quero desistir e vou buscar alternativas diferentes para talvez ter uma qualidade de vida melhor com menos ou até sem remédios. estou aqui para buscar ajuda com estas dicas e possíveis terapias e direcionamentos alternativos.
abraço e boa sorte a todos nós!

Claudio · 5 de novembro de 2015 às 12:15

E quem não consegue sair de casa?

    Ana Maria Saad · 6 de novembro de 2015 às 20:02

    Claudio, nesse caso é importante apoio de alguem pra te levar pra fazer os tratamentos. Qdo estamos sem sair de casa e sem energia, mais ainda é importante combinar tecnicas que tragam vitalidade. Falamos mto disso em uma das aulas com nossos experts e no Congresso Medismente. Vc viu?

Anderson · 1 de novembro de 2015 às 16:48

Olá Ana, a 60 dias eu faço tratamento para Ansiedade Generalizada, tenho distúrbio do sono por causa disso a psiquiatra me prescreveu rivotril 1 MG a noite, e de manhã paroxetina 20MG. Não estou tomando o rivotril, melhorou 60 % meu sono, mas ainda não me sinto 100%, tomei algumas vezes o rivotril, mas tenho medo de Tomar e viciar, faço terapia com psicologa, mas as vezes sinto que preciso toma-lo, oque devo fazer com o rivotril ?

    Ana Maria Saad · 6 de novembro de 2015 às 20:10

    Anderson,

    o que vc deve fazer antes de qq coisa é: ganhar conhecimento pra saber quais tratamentos realmente valem a pena!

    temos um guia gratuito pra te ajudar, é so entrar nesse link: http://www.anamariasaad.com.br/inscreva

    leia e depois nos falamos

    bjoka

ANTONIO CARLOS DO CARMO · 22 de outubro de 2015 às 18:33

OI, ANA MARIA ,MAIS DE DOIS ANOS QUE TOMO RIVOTRIL,JA TEM DOIS MESES QUE TOMO SO , QUANDO ESTOU MAU E ESTOU REDUZINDO A DOZER,QUERO PARA DE TOMA .

Marcy · 14 de outubro de 2015 às 12:26

Tomo Rivotril ha dez anos, tomo em momentos de crise de estresse ou muita ansiedade, gosto da combinação Rivotril+ Alcool… vc esquece tudo, isso mesmo! Até do que vc comeu no dia anterior… Porem estou sem tomar ha mais de uma semana, vou me consultar com medico Homeopata. Espero ter sucesso. Quero me libertar!

    Ana Maria Saad · 16 de outubro de 2015 às 14:05

    Marcy,

    esse comportamento de beber e tomar rivotril é autodestrutivo e a gente gosta de se destruir quando estamos no desanmor.

    alem do medico busque urgente uma terapia que nao seja apenas de fala.

    qual? se inscreve no site pra ganhar um guia que vai te dizer qual terapia buscar: http://www.anamariasaad.com.br

    bjoka

Sonia · 11 de outubro de 2015 às 19:46

Por favor preciso de ajuda sofro de depressão, sinto fobia, já tomei vários medicamentos, mas cura nada, estou desesperada

    Ana Maria Saad · 16 de outubro de 2015 às 14:24

    Sonia

    vc tomou remedio e so?

    vc foi mau orientada querida!

    pra saber que tipo de ajuda buscar e onde, se inscreve de graça no site: http://www.anamariasaad.com.br pra vc ganhar um guia que vai te ajudar

    bjokaaaaaa

Marilda · 22 de setembro de 2015 às 17:12

eu tomo tem três meses para ansiedade

    Ana Maria Saad · 25 de setembro de 2015 às 11:20

    Marilda,

    Se uma pessoa tem um infarto, faz cirurgia e depois continua fazendo as mesmas coisas que fazia antes do infarto: sedentária, ma alimentação e se deixando levar pelo estresse, o remédio vai impedir que essa pessoa não tenha outro piripaque?

    Claro que NÃO!

    A ciência já comprovou a importância do estilo de vida pra gerar saúde e com os transtornos da mente não é diferente.

    Não basta vc só tomar remedio!

    se vc nao mergulhar no autoconhecimento com terapias e mudar seu estilo de vida, vc vai continuar mal.

    Veja esse video pra entender mais: https://www.youtube.com/watch?v=_QvVmilazzU&feature=youtu.be

    O Rivotril só tá tratando sintoma, vc precisa ir nas causas tb.

    Pq vc ficou assim, vc ja sabe?

    bjoka

Mauricio Barkema · 9 de setembro de 2015 às 21:31

Oi Ana Maria
Conheço bem o Rivotril, e concordo plenamente com tudo o que você escreve aí, inclusive que ele não deve ser condenado, pois já me salvou diversas vezes, atualmente estou usando esporadicamente, até que consiga ficar sem.
Obrigado!!

    Ana Maria Saad · 15 de setembro de 2015 às 17:56

    Que bom querido!

    bjokaaaa

Lucas · 1 de setembro de 2015 às 02:00

Sabe dizer se é possível descontinuar o uso do Rivotril depois de 2 anos de uso?

    Ana Maria Saad · 1 de setembro de 2015 às 20:11

    Lucas, tudo nessa vida é possivel.

    Busque um psiquiatra “fora da caixa”, que tenha formação ou de homeopata ou seja da antroposofia, e peça ajuda pra fazer esse desmame.

    Mas é importante tb estar fazendo terapia, vc faz?

    bjokaaaa e boa sorte

MARCIA · 22 de agosto de 2015 às 16:00

Tudo conversa fiada, me desculpem!!!
uma vez deprimido, sempre deprimido. Tomo rivotril como se tomasse agua, nem faz mas efeito em mim.
Sou hiper complexada, velha, feia, me afastei do trabalho, meu maior erro, não tenho amigos, só fingo que tenho. crio fantasias de mim mesmo, que vou ser aquela mulher que acordadva cedo, trabalhava o dia inteiro, dirigia, saia, bem casada,cheia de amigos… hum, acorda marcia isso foi o passado, hoje vc vive em cima de uma cama tomando rivotril e fantaziando aquilo que nao vai aconteçer. E pra completar me mudei pra um apque odeio, me isolei mais ainda. è como fosse o ponto final, a mudança foi aterra que faltava para me matar de vez e me enterrar, odeio esse apartamento, essa rua, esse predio.
E pra completar meus filhos ja cansados, eu ainda tenho que fingir que to bem, mas so eu sei o leao que mato todo dia pra nao me matar ate meu filho se formar, um sofrimento.
Queria poder me matar hoje. Eu nao descarto nao porque odeio tanto esse lugar. Me enterraram viva aqui, é assim que me sinto. EU ODEIO ESSE LUGAR. contrubuiu muito pra minha solidao, meus medos, minha piora. ODDDEEEEIIIOOOO
e AGORA UMA DOR NAS COSTAS , NAO SEI SE DE TANTO FICAR DEITADA OU SE DE TANTO FUMAR.
qUE MEU FILHO SE FORME LOGO PRA EU PODER ME MATAR E SE EU NÃO COSEGUIR ATE LÁ QUE ELE CONSIGA VIVER BEM. PIOR QUE NPNGUEM ENTENDE, SO VAO ENTENDER A RAVIDADE DE TEREM ME COLOCADO AQUI QDO EU ME FOR. ODEIO ESSE APARTAMENTO, ODEIO.
MARCIA, 50 ANOS, SALVADOR !

ME TIREM DAQUI

    Ana Maria Saad · 1 de setembro de 2015 às 21:10

    Marcia,

    vc odeia so o apto ou vc mesma?

    e pq vc ficou assim? qual sua historia?

Robson · 14 de agosto de 2015 às 08:24

Olá Ana!!!!

Eu tomo Rivotril há pelo menos quatro anos.
Passei por um crise de panico no metro de sampa, tive 3 crises agudas no mesmo dia.
Passei por 3 psiquiatras e mais um duzia de psicólogos…
Até hoje não achei um psicologo que eu me identifico ou que eu sinta que realmente está fazendo a diferença.
No começo eu não tomava rivotril, eram outros remédios que não me lembro o nome e em algum momento o rivotril foi introduzido.
Fui fazendo o desmame de todos, menos do rivotril, e há pouco mais de dois meses tive outra crise muito forte. Hoje utilizo o rivotril e sertralina, passo com um psiquiatra a cada três meses em média.

Espero um dia poder ficar “limpo”.

Eduardo · 6 de agosto de 2015 às 10:16

Eu só tomo há dois anos. Faço 13 anos de tratamento e nenhum remédio foi tão eficaz. Não tomo porque gosto ou porque sinto “barato”. Realmente preciso ou, quem dera, não tomaria nada. Ultimamente há uma “endemonização” do remédio e os médicos estão com medo de receitar. Puxa, eu não estou comprando drogas, usando álcool, nem mesmo tabaco. Quero apenas algo que funcionou no meu tratamento, e olha que já tomei muuuitos nesses 13 anos.
Eu faço faculdade, EAD, que exige concentração enorme e tenho ótimas notas, e ouço cada médico novo falar coisas que, ao menos comigo, não procedem. Muitas vezes eu tenho que tomar antes de fazer os trabalhos para a ansiedade passar. Agora graças à essa campanha de propaganda negativa está difícil conseguir o remédio, cada profissional receita algo diferente e devo adicionar, eles tem um ego gigantesco, não aceitam se quer ouvir o que outro profissional tenha dito, e bem, há quem abuse? Sim, como há quem abuse de coisas muito piores. Mas há pessoas que precisam, e vão acabar nas drogas e no álcool como já vi acontecer nesses 13 anos em outros casos.

    Ana Maria Saad · 6 de agosto de 2015 às 12:41

    Edu,

    Você está comprando droga. Por isso que farmácias chamam Drogaria.

    Remédios são drogas e essas drogas legalizadas prescritas por médicos, de acordo com dados da Drugwatch, matam mais que as drogas ilegais a que vc se refere, sabia?

    Ninguem precisa de drogas sejam legais ou ilegais pela vida toda, e vc pelo jeito ja tomou varias e nao resolveu sua questão. E pq?

    Pq elas são apenas paliativos pra aliviar um sofrimento intenso, mas esse sofrimento é sintoma de que algo em vc precisa ser olhado para então ser curado.

    O tratamento medicamentoso é apenas para alívio imediato, o abuso dessas drogas causa estragos maiores na sua saúde.

    Imagina, que vc sente muita dor no dedo do pé, mas devido a correria do dia a dia apenas toma remedio pra aliviar a dor e nao vai investigar pq ela apareceu em primeiro lugar. Quando você se dá conta, nem os remédios fazem mais efeito pra dor, e assustado vc finalmente vai olhar pq seu dedo esta doendo e descobre: ele está quebrado.

    Uma dor psíquica é a mesma coisa, é sinal de que algo dentro de vc está quebrado e precisa ser olhado.

    Se vc tem interesse em se cuidar direitinho sugiro que vc se inscreva de GRAÇA no nosso Congresso online, onde vc conhecera especialistas que vao te mostrar caminhos pra saúde definitiva. É acessar esse link: http://www.anamariasaad.com.br/congressomedismente/

    bjoka e se cuide!

Elisabeth · 29 de julho de 2015 às 22:04

Tomo Rivotril há 13 anos. O meu psiquiatra diz que tenha depressão crônica e eu nunca quis acreditar nisso, pois no dia que acreditar tudo estará perdido de vez. Por várias vezes fiz o “desmame” do Rivotril e a cada gota que diminuo tenho tremor nas mãos e insônia no primeiro dia. No segundo tenho um pouco menos insônia e no terceiro dia já estou recuperada. Depois de 3 dias tiro mais uma gota e os sintomas são os mesmos até zerar. Aí penso que estou livre para sempre desta droga. Depois de 3 meses quando sai totalmente da corrente sanguínea tenho uma crise horrível com pensamentos repetitivos e horríveis. Estes pensamentos me fazem pensar que estou ficando louca e que se isso acontecer posso colocar em risco a vida de minhas filhas. Ligo desesperada para o meu psiquiatra e ele me passa o único medicamento que consegue para de imediato este momento de desespero e horror que passo. Sabem qual remédio é este? O RIVOTRIL!

    Ana Maria Saad · 30 de julho de 2015 às 23:42

    Elisabeth,

    Vc ja sabe pq adoeceu?

    E algum médico já te ensinou como gerar saúde?

    Vc já leu sobre esse post sobre a medicina integrativa? http://www.anamariasaad.com.br/medicina-integrativa-e-mesmo-segura/

    Aff como to perguntadeira,né!

    Mas é que tenho certeza que com o conhecimento certo vc vai encontrar profissionais que te ajudarao a gerar saúde e ir além desse carimbo de depressão cronica que vc recebeu, e que te fez ficar dependente de rivo.

    Vc merece paz da sua mente querida! Mas mais que isso, vc merece descortinar seu potencial de saude…

    Leia o post da medicina integrativa e depois conversamos, blza?

    bjokaaaaaa

Renata · 21 de julho de 2015 às 22:01

Tomo às x porque não consigo dormir de dor por muitos pensamentos negativos, vergonha da minha situação (sem estudar nem trabalhar) sempre quando tento voltar pra faculdade tenho surtos e as pessoas não entendem, e eu me acho inferior em todos os sentidos, feia, burra, atrasada, todos vão morrer e vou parar num sanatório (é o que penso). É o único jeito de parar com minha cabeça, às vezes ligo pra CVV, mas qdo dá ocupado tenho que tomar algo. (é um jeito pra não alugar minha família/amigos que não me aguentam falando sempre das minhas angústias, e de não me expor pra gente que parece que gosta de me ver nesta situação). Mas tomo muito cuidado antes de tomar já que meu próprio psiquiatra disse que gera demência e que não é pra eu tomar, só em último caso. Ele manda eu fazer exercícios, e tomar sol, água e tentar fazer alguma atividade. É o que eu faço 🙂 Só o que não consigo às x é me concentrar. Quando chegam os pensamentos negativos não tem jeito, começo a tremer, saio da realidade, se não tem ngm pra acalmar dá-lhe rivotril. Tomo por não conseguir dominar minha mente, preciso de força. É muita dor, psicotizo, surto histérico, fico igual uma guria de 5 anos, e como já tenho aparencia de crianca fica tudo por isso mesmo dá muita vergonha. Medo da morte, do abandono, da vida adulta e solitária.

Fabrício · 8 de julho de 2015 às 21:04

Tem 10 anos que o Psiquiatra me receitou Frontal (Alprazolam) e junto a Sertralina. No começo foi uma maravilha, melhorei bastante, mas tinha meses que eu caia de novo!

Eu não tinha conhecimento sobre remédios e nem pesquisava e como o Frontal (Alprazolam) dava barato, bem-estar e coragem (artificial) sempre tomava, sem se preocupar. Era só bater a Fobia Social, o Pânico, tomava e ficava normal, tranquilo, sociável.

Mas depois de anos veio os efeitos negativos também!

Hoje eu continuo tomando porque o Psiquiatra não tirou, pois sabe que sou viciado tanto físico como psicológico!

    Ana Maria Saad · 17 de julho de 2015 às 20:54

    E Fabricio, mesmo assim vc continua no mesmo psiquiatra?
    O que mais vc faz de tratamento?

Tamara · 4 de julho de 2015 às 10:24

Tomo RIVOTRIL a quase 5 anos.No comeco era uma maravilha tomava e dormia o dia inteiro ”PRECISAVA SAIR DO MUNDO REAL” nao sei lidar muito com o presente. Nao me importaria de toma-lo pro resto da vida caso me trouxesse beneficios .O problema e que quando seu corpo se acostuma com o medicamento voce quer mais e mais .Se torna um viciado em drogas porem drogas legalizadas.Agora pior do que antes nao sei pra que droga apelar .Muita das vezes so penso no suicidio ja que nao vejo luz no fim do tunel.Fica a dica procure algo integrativo antes de se tornar um viciado ”LEGAL”Voce sera como uma pessoa que experimenta droga pela primeira vez por curiosidade e nao consegue nunca mais parar RIVOTRIL e mais ou menos por ai

    Ana Maria Saad · 17 de julho de 2015 às 20:56

    Excelente depoimento Tamara, vai ajudar mto!!!
    Grata

    E vc ta tomando rivotril ainda?

    Stella · 28 de janeiro de 2016 às 00:37

    Sai dessa Tamara,eu pensava da mesma forma…eu tomava na vdade pra me “socializar”pq ele nunca me deu sono….nunca…tomava pra falar mais,ser mais “feliz”,uma coisa totalmente sem necessidade…

Os comentários estão fechados.