fbpx

gremlin bipolar

Os sintomas da Bipolaridade variam tanto quanto a confusão na psiquiatria acerca desse distúrbio mental, que é chamado também de Transtorno Bipolar do Humor, antigamente conhecido como transtorno maníaco-depressivo.

Você sabia que alguns psiquiatras defendem que a Bipolaridade seria o mal do século e não a Depressão? Eles dizem que mais de 50% das pessoas diagnosticadas com Depressão, na verdade são bipolares.

Enquanto outros mais conservadores dizem que isso é exagero e apenas 10% dos depressivos poderiam ser reclassificados como portadores de bipolaridade…

Entendendo a Bipolaridade

É que a coisa funciona assim:

Há basicamente duas linhas de pensamentos sobre o Transtorno Bipolar, aqui chamadas de A e B:

Linha A: 2 subtipos da Bipolaridade

A Linha A é mais conservadora, defende que há apenas dois subtipos da bipolaridade:

  • O quadro clássico: onde as pessoas durante as fases de mania fecham negócios arriscados, tem atitudes impulsivas nos relacionamentos, acreditam ter poderes especiais e fazem compras que muitos dos meros mortais adorariam fazer, #sóquenão.
  • O quadro com crises de hipomania – que significa crises de euforia menos intensas: a pessoa se sente muito bem, com bastante energia, mas não causa tanto prejuízo quanto no quadro clássico.

E em ambos quadros, essas crises de mania ou hipomania são alternadas com crises de depressão.

gremlin depressao

Linha B: até 4 subtipos da bipolaridade

A linha B é mais ousada, defende que há graduações da doença com 4 subtipos, existindo um “espectro bipolar”teoria difundida a partir de um estudo publicado pelo médico americano Hagop Akiskal e pelo psiquiatra brasileiro Olavo Pinto.

Os 4 Subtipos do Transtorno Bipolar do Humor:

  • Bipolaridade tipo 1: a clássica com alterações de humor que vão de picos de mania, até baixos de depressão e ainda passam por fases de hipomania.
  • Bipolaridade tipo 2: claras alterações de humor oscilando entre fases de hipomania e depressão. Segundo estudos, neste subtipo o índice de suicídios é o mais elevado, superando os percentuais observados até mesmo nos deprimidos. 
  • Bipolaridade tipo 3: quadros de mania ou hipomania só vão acontecer com uso de antidepressivos ou psicoestimulantes. No entanto, o temperamento da pessoa tende a ser mais forte e não brando como dos depressivos.
  • Bipolaridade tipo 4: aquela que aparece na crise da meia idade! Acomete pessoas com temperamento mais expansivo e empreendedor que passam a ter o humor mais turbulento e depressivo depois dos 40 anos.

the office michael bipolar

Sendo assim, haveria a reclassificação dos casos de depressão como de bipolaridade, em virtude de episódios de euforia não serem relatados pelos pacientes ou não merecerem atenção dos médicos.

É que segundo o psiquiatra Dr. Olavo Pinto, as pessoas buscam tratamento quando estão na fase depressiva, onde existe o sofrimento e não nos momentos de euforia que são curtos e até valorizados socialmente em ambientes em que aparentar extroversão e energia desperta olhares de admiração.

Lembra de Eike Batista? Não tô dizendo que o homem é bipolar, só ilustrando o que o Dr. Olavo Pinto disse sobre a sociedade valorizar a personalidade extrovertida e ousada.

Eike Batista com seu carisma camuflou a fragilidade dos seus projetos e conseguiu com que investidores considerados inteligentes apostassem bilhões neles, “Eike loucura”!

 "Torne-se comum e você será extraordinário; 
tente se tornar extraordinário e você continuará sendo comum" OSHO 

the office michael triste

Bipolaridade: 13 sintomas na fase eufórica

Essa fase pode durar de dias até meses

  1. Irritabilidade
  2. Insônia
  3. Tagarelice
  4. Mania de grandeza
  5. Sentimento de estar no topo do mundo com uma alegria e bem-estar inabaláveis, podendo ocorrer também explosões de raiva
  6. Sentimento de ser invencível
  7. Uso de drogas, álcool, jogos de azar
  8. Não consegue ficar parado, nem relaxar
  9. O senso de perigo fica comprometido, podendo se envolver em atividade de risco
  10. Atividade mental intensa, com muitas idéias ao mesmo tempo
  11. Excitação sexual exagerada
  12. Compras excessivas
  13. Perda da inibição social, podendo passar por situações vexatórias

Nesta fase é comum a pessoa se endividar ou PERDER MUITO DINHEIRO, comprometendo até bens de família, gastando mais do que pode, emprestando dinheiro a pessoas que mal conhece.

mariah carey dinheiro

Psicoses

A psicose da fase maníaca pode acontecer também, e aí o bipolar se assemelha mais a um esquizofrênico, acontece que na esquizofrenia essas psicoses são primárias e aqui são secundárias à bipolaridade.

A psicose é quando se perde o contato com a realidade e ela pode ser de menor ou maior intensidade.

Na psicose pode  haver:

  • Delírios: quando a pessoa “viaja na maionese” e não percebe, porque para ela essa viagem é real. Tipo: “O FBI implementou um chip no meu dente pra me monitorar.” Há diversas variações de delírios como de perseguição, de influência, de grandeza, de ciúme, etc.
  • Alucinações: quando a pessoa percebe um objeto que não existe, mas para ela ele existe sim. Tipo: “eu vi unicórnios dançando Gangnam Style e eles me mandaram me jogar da janela”. E a coitada pode ter alucinações auditivas, visuais, táteis, olfativas, etc.

alucinação

Bipolaridade: Humor Misto

Na bipolaridade leve (dos subtipos 2, 3 e 4) ainda sintomas que tendem a se agravar com o uso de antidepressivos.

Os 8 sintomas do Humor Misto:

  1. Humor turbulento
  2. Agitação e irritabilidade
  3. Ansiedade e tensão
  4. Picos temporários de excitação sexual
  5. Pensamentos acelerados, o que leva a insônia
  6. Excessos para aliviar a ansiedade e a tensão (comida, drogas, bebidas, sexo)
  7. Idéias suicidas
  8. Ataques de nervosismo, geralmente dramáticos

twin peaks ataque

Sintomas de Depressão

Lembrando que na Bipolaridade, as fases de mania ou hipomania são intercaladas com as fases depressivas, que podem durar de algumas semanas até meses.

Os sintomas da fase depressiva são:

  1. Insatisfação em viver
  2. Muito sono ou insônia
  3. Perda ou excesso de apetite
  4. Falta de concentração
  5. Lentidão ou agitação intensa
  6. Sintomas de doenças físicas que não melhoram com tratamento
  7. Dores no corpo “sem motivos”
  8. Perda de interesse e prazer pelas coisas
  9. Vontade de se isolar
  10. Dificuldade em realizar tarefas simples (como escovar os dentes)
  11. Indiferença às situações
  12. Fixação em detalhes negativos
  13. Ansiedade constante
  14. Uso de álcool e drogas para se sentir melhor e/ou se anestesiar
  15. Sensação de insegurança
  16. Sensação de incapacidade
  17. Sentimento de inferioridade e baixa autoestima
  18. Tristeza constante ou irritabilidade persistente
  19. Pensamento em morte ou até mesmo suicídio
  20. Crises de choro sem motivo aparente
  21. Falta de esperança
  22. Sentimento de vazio
  23. Redução do interesse sexual
  24. Sentir que o mal-estar não vai passar nunca
  25. Pensar que isto tudo é fraqueza de caráter, o que gera culpa por não ter força de vontade para consertar esta “falha de caráter”. 

james franco ansiedade

Bipolaridade: super democrática

Lembrando que o Transtorno Bipolar é como o restante dos distúrbios mentais: super democrático.

Qualquer um pode ter em qualquer idade: criança, adulto, rico, pobre, homem, mulher, gay…

Diante desses sintomas o que fazer?

Buscar ajuda médica e terapêutica urgente, de profissionais da saúde adeptos da Medicina Integrativa.

“Hein?”

Bjoka e Força na Peruca! 

Com  Amor, 
Ana Maria Saad 🙂
Fonte: conteúdo baseado no DSM (Manual Diagnostico e Estatístico dos Transtornos Mentais)
Gifs: Feitos por amigos

Categorias: Cura

Ana Maria Saad

Te ajudo a vidar e não só sextar através do Método Rituario (Ritual Diário de DETOX MENTAL). Aprenda a meditar mesmo se sua mente não para 👽

42 comentários

CELIA ZAMBETI · 23 de maio de 2016 às 09:50

OLA TO COM MINHA FILHA PEQUEENA DE DEZ ANOS DIGNOSTICADA DE INICIO COM TOC AGORA APOS UM MES A DR DISSE QUE O QUADRO E MAIS BIPOLOR TO CONFUSSA JURO QUE NÃO SEI COMO AGIR

    Mariana Bottan · 9 de junho de 2016 às 11:46

    Celia, meu amor, primeiro de tudo aqui vamos te ajudar a entender que o grande erro da medicina convencional é só focar na doença (no diagnóstico) e não no ser humano que adoeceu. E isso tem impedido as pessoas de entenderem de fato estas doenças como uma mensagem e não como algo a ser combatido.

    Nesta pg aqui você entenderá o que estou falando, ela tem tudo oq vc precisa saber sobre isso e como ajudar a sua filha. Fique tranquila, tem jeito, mas se informe aqui pra não focar refém de médicos desatualizados e picaretas!
    http://www.anamariasaad.com.br/guia-vencer-a-depressao-e-ansiedade-panico/
    Dê atenção especial aos itens 2, 3 e 4 deste guia!

    Força, vc nao tá só!

Juliana Duprat · 12 de maio de 2016 às 02:14

Ana!!!!! Negra to meio decepcionada, olhei o video de apresentação da Medismente, e lá tu disse que se curou!!! Até aí ok, mas tu disse também que utilizou Meditação, Constelação Familiar e etc…Blz mas em dado momento tu disse que nada tinha a ver com religião e eu como uma boa curiosa que sou, fui pesquisar a tal Constelação Familiar e vi que se trata de um técnica que muito difundida no espiritismo (Nada Contra) Mas eu sou Cristã e não creio em vidas passadas, como fico??? hahahah desculpa a sinceridade mas dá um Help pra Êrma Aqui!!!!
Em tempo: Sou Bipolar…

gislene oliveira · 10 de maio de 2016 às 20:22

o que faz um individuo ser bipolar? é genetico ou algo causado na infancia?

    Mariana Bottan · 10 de junho de 2016 às 16:21

    Gislene, toda doença mental tem raízes em nossa história de vida. Elas são uma mensagem de que algo precisa ser olhado. Os itens 2 e 3 dessa pag explicam muito bem isso. Mas leia ela inteira pois te ajudará a compreender estas questões do porquê da doença! Um beijo e força
    Veja: http://www.anamariasaad.com.br/guia-vencer-a-depressao-e-ansiedade-panico/

Tiago · 29 de março de 2016 às 12:36

Ana, vc sabia q a ABRATA, que vc indica aqui, é baseada em psicoeducaçao, reforço de medicação e é presidida por um dos médicos do GRUDA na USP q em seu currículo menciona consultoria a industria farmacêutica? Quem te busca aqui quer ter alternativas para não se afundar em remédios. Não sei se lá é o melhor caminho nesse sentido. Pra se pesquisar melhor…….

    Ana Maria Saad · 5 de abril de 2016 às 15:36

    Olá Tiago, obrigada pela dica. Na verdade nós de fato sabemos que a ABRATA diverge muito em relação à nossa abordagem. Mas existem pessoas que não se identificam com a gente e que podem considerar ela uma opção. Nosso blog é repleto de conteúdo para empoderar as pessoas para que elas escolham aquilo que as serve melhor!

    De qualquer modo pensarei a respeito desta indicação feita no post. Grata pelo retorno. Vc conheceu a gente como?
    Beijos!

Rodrigo bassanesi · 12 de janeiro de 2016 às 22:16

Ana já conversamos tenho 32 anos e a 5 me trato com Pisiquiatra tenho manias de perseguição delirios ouço vozes oque vc. me orienta so os remédios não tão dando conta tenho uma condição estável financeira com minha mãe e moro numa cidade com 300 mil habitantes abraço e obrigado pelo contato

Raíza · 26 de dezembro de 2015 às 20:13

Estou com dificuldade em descobrir o que tenho!!!!! =SSSSSSS =(((
Não sei nem por onde começar…..

    Ana Maria Saad · 29 de dezembro de 2015 às 09:26

    Bela,

    se vc for a 5 psiquiatras provavelmente tera 3 diagnosticos diferentes….ou 5!

    entao nao foque no probolema, mas na solução.

    vc se sente mal na propria pele, e isso teve seus motivos, ninguem adoece da cachola a toa.

    como gerar saúde mental? com bons tratamentos e mudança no estilo de vida.

    entao use sua energia pra gerar saude e nao descobrir o que vc tem, pq vc ja descobriu: vc se sente mal.

    agora como se sentir bem?

    pegue esse guia gratuito: http://www.anamariasaad.com.br/inscreva

    leia e qq duvida escreva!

    bjokaaaaaaaaa

adriana gastaldo coelho · 30 de outubro de 2015 às 18:09

eu gostaria muito que me mandassem um endereço de grupo de auto ajuda eu moro em porto alegre tem que ser na minha cidade desde já agradeço pela atenção adriana.

Erico Marcelino Rosa · 29 de outubro de 2015 às 18:08

Sofro com essa doença, teve inicio quando estava sozinho em casa fiquei triste por estar só. Então do nada veio um arrepio dos pés a cabeça e uma sensação como se tivesse ganhado na loteria.
Saí caminhando umas quarenta quadras e ainda tinha gás de sobra.
Pensava que era especial na Terra, tudo o que acontecia era porque eu tinha sido escolhido para algo, e que havia forças malignas tentando impedir.
Nesse meio tempo sai do emprego, e me sentia um empreendedor de sucesso.
Ficava tagalerando bastante e afirmava que era por causa do negócio.
Fui ao psicologo e depois ao psiquiatra contra a minha vontade.
Me diagnosticou como bipolar, eu disse que ele não sabia de nada.
Quando me vi na fase depresiva, lembrei do diagnostico e resolvi iniciar o tratamento.
Já fazem 5 anos que estou em tratamento, vivo normalmente, tomo os medicamentos, não sou menos normal por isso.

    Ana Maria Saad · 6 de novembro de 2015 às 20:20

    Gratidao por compartilhar sua historia!

    bjoka

Reginaldo · 19 de outubro de 2015 às 19:05

Sofro de disturbios que eu não sei muito bem o que é, mais to deixando meu pai mal e consequentemente fico mal tambem, exagero no uso da maconha… o que faço ..

    Ana Maria Saad · 23 de outubro de 2015 às 19:07

    Querido busque ajuda.

    Que tipo de ajuda? Se inscreve no site http://www.anamariasaad.com.br pra ganhar um guia que preparei com mto cuidado pra vc, que vai te esclarecer o rumo a tomar.

    leia e vamos nos falando!

    bjoka

lisangela cristina de sousa silva · 20 de setembro de 2015 às 12:12

estou á mais de um ano em tratamento,larguei tudo na minha vida e não consegui ainda voltar á minha vida,pelo menos o mínimo normal,tá difícil,preciso de terapia,não consegui ainda,os remédios dão efeitos colaterais,ainda não acertaram qual?

    Ana Maria Saad · 25 de setembro de 2015 às 11:53

    Lis,

    Se uma pessoa tem um infarto, faz cirurgia e depois continua fazendo as mesmas coisas que fazia antes do infarto: sedentária, ma alimentação e se deixando levar pelo estresse, o remédio vai impedir que essa pessoa tenha outro piripaque?

    Claro que NÃO!

    A ciência já comprovou a importância do estilo de vida pra gerar saúde e com os transtornos da mente não é diferente.

    Não basta vc só tomar remedio!

    se vc nao mergulhar no autoconhecimento com terapias e mudar seu estilo de vida, vc vai continuar mal.

    Veja esse video pra entender mais: https://www.youtube.com/watch?v=_QvVmilazzU&feature=youtu.be

    Vc espera que o remedio te melhore, mas isso nao vai acontecer… A melhora é de dentro pra fora, o remedio apenas alivia os sintomas pra que vc possa buscar as mudanças na sua vida.

    entende?

Aurenita Santos · 17 de agosto de 2015 às 19:21

Gostaria de saber se isso tem cura? e se a pessoa consegue por conta própria se livrar disso…eu tenho um parente com essa doença…

    Ana Maria Saad · 21 de agosto de 2015 às 10:59

    Aurenita,

    por conta própria é bem mais difícil…

    é preciso combinar tratamentos. leia esse artigo pra saber mais: http://www.anamariasaad.com.br/medicina-integrativa-e-mesmo-segura/

    bjoka

    Gilberto de Lima · 2 de setembro de 2015 às 21:59

    Cura não tem, mas tem tratamento. pois um bipolar nasce bipolar e morre bipolar. É um problema de neurotransmissão cerebral aonde com tratamento e medicamentos se tenta manter os neurotransmissores em níveis normais para alcançar a eutimia

      Ana Maria Saad · 15 de setembro de 2015 às 18:18

      querido vc esta completamene equivocado, repetindo aquilo que estudos pseudo cientificos tendenciosos espalharam na comunidade medica e na cabeça da população.
      qdo os tratamentos focarem na saude e nao doença, todos irao se curar!
      🙂

Platão · 14 de agosto de 2015 às 17:12

Tudo começou aos 15 anos, quando exagerei bastante na maconha. Fiquei sete dias sem dormir. A crise veio de uma vez. Ninguém entendeu nada. Fiz tratamento com haldol e a crise foi embora. Fiquei uns dois anos bem, fumando. Um dia tomei um ácido e a crise voltou com tudo. Depois disso, foram várias. Fiz muitas bobagens que, como todo bipolar que se preza, morro de vergonha de lembrar.
Aos 23 anos resolvi, após uma crise daquelas, parar com as drogas. Fiquei bem até os 34 anos quando achei que poderia voltar a fumar. Foi minha última crise e nela foi diagnosticada a bipolaridade. Desde lá tomo religiosamente o lítio e o geodon. O lítio dá uma tremedeira que já me deixou várias vezes em situação desconfortável. O geodon, apesar de custar os olhos da cara, ajuda bastante com a regularização do sono e afasta a ansiedade.
Algumas vezes penso em parar com os medicamentos, mas vejo que é melhor não arriscar. A perda numa crise é altíssima, e sempre se tem que começar tudo de novo. Chega.
Há 13 anos, levo a vida normalmente: sou um advogado bem sucedido, tenho filhos, esposa. Fora minha família, um ou outro amigo sabe realmente do problema.
Mas uma coisa é engraçada: com tudo que passei, não sei se trocaria a minha condição de bipolar por uma vida dita “normal”. Sinto sempre que sou especial e que me conhecendo bem posso produzir muito mais do que se as coisas fossem diferentes. Trato assim de aproveitar uma condição que me atrapalhou muito, mas que hoje me ajuda a enfrentar da melhor forma possível todos os problemas da vida.

    Ana Maria Saad · 21 de agosto de 2015 às 11:04

    Platão vc ja experimentou os psicotropicos nao quimicos? Yoga e Meditação?

    Que bom que vc ta bem!

    parabens

    bjoka

Methamorfo · 6 de agosto de 2015 às 11:56

Bipolaridade: loucura lúcida! Estou tão cansada de levar “no braço”, de não aceitar o diagnóstico, de racionalizar tudo e reconhecer o limiar entre o “não tenho a doença” e o “estou enlouquecendo de dor psicológica”; cansada de somatizar, sem ter o menor controle sobre os males que insistem em tomar conta do meu organismo…

Ansiedade de revirar o estômago, insegurança que me faz desistir de tudo, até daquilo que mais preciso…

Amealho perdas, falsa ou inexistente qualidade de vida, sofrimento… Causo sofrimento. Enfraqueço diante de tamanha instabilidade!

Se me perguntar se estou mal, direi que neste segundo SIM! Mas não seria nada incomum se no minuto seguinte, literalmente, abrisse um enorme sorriso e respondesse com olhos brilhantes e cheios de otimismo e esperança: “NÃO! Ao contrário, estou RADIANTE!”

Por que então rejeito tanto o diagnóstico? Por que tamanha racionalidade? Por que os pensamentos não conseguem acompanhar razoavelmente minhas convicções?

Transtorno afetivo bipolar: aceita que dói menos… ou dói mais! Sei lá…

    Ana Maria Saad · 6 de agosto de 2015 às 12:30

    Quando algo impactante acontece na nossa vida, seja a morte de algum ente querido ou uma doença, passamos por algumas fases bem marcantes:

    – negação: não queremos aceitar que estamos passando pela situação
    – raiva: “pq eu?” “pq comigo?”
    – tristeza: momento de se recolher pra digerir
    – aceitação: momento em que fazemos as pazes com a situação

    Então é natural que vc nao aceite esses sintomas todos. Principalmente pq por tras deles há feridas profundas que precisam ser cicatrizadas.
    Ninguem adoece da cachola a toa!

    E aceitar um transtorno é aceitar que vc terá que fazer esse mergulho do autoconhecimento pra melhorar sua vida, e esse mergulho implica em entrar em contato com tantas feridas doloridas…

    Mas só esse mergulho podera te proporcionar a paz interna e essa integração de estar de posse dos seus pensamentos e sua mente.

    DICA: se inscreve de GRAÇA no nosso Congresso online, onde vc conhecera historias de superação de bipolares e especialistas que vao te mostrar caminhos pra saúde definitiva. É acessar esse link: http://www.anamariasaad.com.br/congressomedismente/

    Bjoka

rita pimentel do carmo · 4 de agosto de 2015 às 13:03

Não existe coisa pior na vida do que depressão sofro a 17 anos faço tratamento já tomei todo tipo de remédio e nada faz efeito um dia bem 10 ruins. já não tenho esperança de um dia ficar bem . Não digo nem boa pelo menos ficar bem amenizar tanta angustia ,anciedade,falta de alta estima etc.

João · 3 de agosto de 2015 às 09:41

Eu tenho um amigo que tem todos os indícios de bipolaridade, só que não aceita como devo convence-lo para uma visita ao médico;

silvana · 30 de julho de 2015 às 17:10

Gostei da explicação, minha filha está Bipolar e me parece que o diagnóstico é grau I, ela tem estes sintomas quase todos apresentados aqui.Gostaria de poder ajudá-la mas não sei como.

Surya · 18 de julho de 2015 às 02:04

Sempre acreditei que nada é por acaso. Vou tentar resumir. Sofri com depressão e síndrome do pânico desde os nove anos de idade. Com 33 anos fui medicada pela primeira vez. Com 40 anos a coisa ficou feia e quase morri de desnutrição por causa de depressão. Neste ano minha médica me abandonou literalmente pois tenho muitos, acreditem, muitos mesmos, efeitos colaterais e passei a me negar a tomar novas drogas.Só consigo “tolerar” 20 mg de Fluxetina. Hoje com 47 anos e passando por mais uma crise procurei outro psiquiatra, pois como disse antes fui abandonada pela psiquiatra que me “tratou” por sete anos. Fui então diagnosticada com transtorno bipolar misto ou border pois nas consultas estou vomitando agressividade E estou agressiva mesmo. Não a ponto de ferir as pessoas. E quem não estaria agressivo vivendo na montanha russa que tem sido minha vida e inserida numa família onde todos estão pirando. Eu…repetindo, euzinha mesma percebi que o que me deixa hipomaníaca ou sei lá o que. Doidinha prá comprar tudo, irritada, doidinha pra dar…deixa prá lá, e tão feliz que chega a incomodar é o remédio. Mas meu corpo, mais inteligente que minha médica, insiste em sinalizar. Há Dois dias eu decidi mudar meu pensamento. Cansei desse drama. Cansei de pensar em morrer e sinceramente não gostei tanto da minha quase careca. Sim, eu cortei meu cabelo tão lindinho há dois meses atrás num ataque de fúria que preferi dirigir a mim mesma. Meu médico atual, o melhor de todos que já tive é bem legal e minha terapeuta também, mas eu sozinha finalmente tive um insigth sobre tudo que li e ouvi aqui. Quase não acreditei e achei incrível esse site ter me encontrado pq compartilho muito das ideias que vi aqui. Espero não estar num momento hipomaníaco, Sinceramente!!!! Estou de mente e coração aberto pq acredito que posso retomar minha vida verdadeira sem rótulos, sem medicação e sem medo de ser feliz. Obrigada aos que realizam esse trabalho. Vou fazer dar certo comigo também.

ROSA NUNES · 15 de julho de 2015 às 18:56

Gostei muito da matéria q li, eu tbém sofro de transtorno bipolar , depressão , há uns 20 anos e sempre estou tomando antidepressivo , tem tempo q estou de bem com a vida , outros ja estou querendo me trancar em casa sem receber ninguém.Por esse motivo quero muito a ajuda de vcs,pois estou em consulta com psiquiatra mas é só antidepressivo e calmante q eles receitam, eu já ñ aquento mais , sofro e meus familiares sofrem comigo, as x estou bem saio a fazer compras coisas q ñ preciso e qd volto ao normal parece q ñ fui eu que fiz aquelas compras, gasto e depois fico triste pois eu nunca fiz dívidas antes dessa doença horrível .Pelo amor de DEUS me ajudem! Ficarei aguardando a suas respostas!

josi · 10 de julho de 2015 às 08:58

Gostei muito de como foi explicado com clareza esse assunto. Tenho um irmão que aos 24 anos teve um surto onde toda a família ficou sem saber como agir, nem mesmo os médicos que consultamos soube explicar pois foi a primeira crise e foi muito forte, hoje ele esta com 26 anos faz tratamento tomando remédios controlados, a um mês ele foi diagnosticado com transtorno afetivo bipolar e devido ao tratamento leva uma vida normal, já sabemos que não a cura e sim tratamento e que mesmo com os remédios as vezes ele entra em crise que varia de 2 a 3 meses com quase todos esses sintomas relatados na matéria, ai já sabemos como lidar com ele. Não é fácil, sinto que mesmo parecendo que ele tá desligado da realidade ele sofre de mais e nós familiares sofremos junto vendo o quanto ele se torna vulnerável a tudo e a todos. Tenho muita fé em Deus e acredito que alem das medicações ajuda espiritual é fundamental, principalmente pra ele que perde as esperanças e a vontade de viver.

    jorge · 29 de julho de 2015 às 07:25

    e isto mesmo,tratamento medicamentoso por profissional competente,ajuda espiritual,Deus e aceitar sem se entregar a doença. Deus o Todo poderoso vos abeçoe!

Elisiane · 9 de julho de 2015 às 21:36

Sim, eu mesma fui tratada com diagnóstico de depressão por anos e nos últimos meses passou a ser considerado um tipo bipolar misto. É difícil ter que se enquadrar em uma doença de tantas facetas…prefiro continuar em busca do meu potencial de saúde, da minha integração como ser humano, como essa Ong tem me proposto.

    Ana Maria Saad · 17 de julho de 2015 às 20:51

    Parabens Elis!
    É isso: focar na saúde pq se ficar remoendo doença daqui a pouco vc descobre que é tetrapolar!
    hihiihihih

    parabens parabens parabens!

Joana Goms · 7 de julho de 2015 às 11:30

Busquei e encontrei muito do que queria saber sobre transtorno bipolar, é de grande valia esses esclarecimentos, minha amiga está precisando de todas essas explicações, passarei para a mesma.

Os comentários estão fechados.